sexta-feira, 7 de Outubro de 2011 09:24h Flaviane Oliveira

Pronto Socorro Municipal: reunião apura denúncias

Reunião é realizada para apurar denúncias de duas mortes no PSR.Nos dois casos específicos que foram debatidos, a comissão foi acionada pelas famílias dos pacientes que vieram a óbito.A convocação foi realizada no intuito de ouvir as partes envolvidas

Funcionários do Pronto Socorro, a Secretária de Saúde Cherrie Mourão e representantes da Comissão de Saúde foram convocados para prestar esclarecimentos sobre duas mortes registradas no Pronto Socorro Regional (PSR). Durante a reunião que foi realizada na quarta feira, estiveram presentes também familiares das duas vítimas. A convocação foi realizada no intuito de ouvir os denunciantes e as respostas dos representantes da saúde pública em relação às denúncias apresentadas sobre a falta de leitos nos hospitais do município e negligência por parte do PSR.


O presidente da Comissão, Geraldinho da Saúde avalia que a comissão tem sido muito procurada pela população e, além disso, o PSR tem atendido uma grande demanda de pacientes da cidade e região.


A secretária de saúde avaliou a reunião, "Fui convocada pela Comissão de Saúde para poder participar do encontro que houve com familiares de duas vítimas do Pronto Socorro que vieram a óbito e são casos distintos, mas todos dois são relacionados a pacientes que vieram a óbito e os familiares estavam querendo esclarecimentos e questionaram a forma como os pacientes que morreram foram atendidos" explicou Cherrie.


Nos dois casos específicos que foram debatidos durante a reunião, a comissão foi acionada pelas famílias dos pacientes que vieram a óbito. A primeira denunciante afirmou que após uma queda, o pai de 85 anos, foi internado no Pronto Socorro, aguardando um leito do SUS para realizar tratamento da fratura de braço e mão. “Ele ficou internado por doze dias e não resistiu, veio a óbito. Quero chamar a atenção para a falta de leitos para que isto não aconteça com outras pessoas. Durante a internação meu pai não recebeu alimentação adequada por ser diabético, inclusive, foram oferecidos doces a ele por outros pacientes. Os enfermeiros não davam banho e também não trocavam as fraldas" relembrou.


Após ouvir os depoimentos, o presidente da Comissão de Saúde, sugeriu agendar uma nova reunião com o diretor da Gerência Regional de Saúde, para esclarecimentos e conclusão dos trabalhos da Comissão.

 

 

NEGLIGÊNCIA


O segundo caso foi registrado há um ano. “Minha irmã não recebeu atendimento. Ela recebeu uma pulseira verde, que caracteriza não urgência, sendo que ela tinha acabado de ter uma crise convulsiva e sentia fortes dores de cabeça. Ela veio a óbito por não ter recebido atendimento adequado” contou um dos familiares da paciente.


Na época a denúncia foi encaminhada a Comissão de Saúde que pediu respostas a secretaria Municipal de Saúde. Ciente da seriedade do assunto, o presidente da Comissão de Saúde, considera necessária a participação do Ministério Público. “Vou sugerir ao Ministério Público que sejam ouvidos os médicos que prestaram atendimento e a enfermeira que fez a triagem. A denúncia será encaminhada para conhecimento e parecer dos profissionais do poder judiciário” disse Geraldinho da Saúde.

 

RECLAMAÇOES


Quando questionada sobre qual seria a maior reclamação dos usuários do PSR, a secretária de saúde reconhece que a sobrecarga e demora nos atendimentos e atendimento com falta de acolhimento são os maiores questionamentos da população.


Cherrie acredita que esse é um problema a ser resolvido, "Essa é a grande luta que nós temos, porque o Pronto Socorro é a porta única de entrada de urgência e emergência em uma cidade desse tamanho.Então o que está traçado pelo governo Vladimir está acontecendo, os passos estão sendo dados, mas não é uma coisa que é feita da noite para o dia" declarou.


"É muito desgastante para quem trabalha ali, a gente vê que os funcionários se esforçam muito e para o usuário fica muito complicado porque a pessoa está sentindo dor é na própria pele, não é na pele do outro e ele quer ver o seu problema resolvido. Então é uma situação muito complicada lidar com isso e para resolver de maneira mais completa temos que mexer na estrutura mesmo" avaliou a secretária.


Entre as medidas que estão sendo tomadas para minimizar os efeitos dos problemas encontrados no Pronto Socorro estão sendo construídos a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e o Hospital Público.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.