segunda-feira, 2 de Junho de 2014 08:29h Atualizado em 2 de Junho de 2014 às 08:42h. Carina Lelles

“Que Divinópolis possa sempre ser esta cidade esperança, do futuro, e melhor a cada dia para a gente viver e trabalhar!”

Todo aniversário merece presente. Qual é o presente que a cidade vai receber?

A comemoração do aniversário de Divinópolis é um momento de festa em que a cidade celebra o seu espaço. Para nós, que amamos, moramos, vivemos nessa cidade, como filho natural ou filho adotivo, que são vários que vieram pra cá e fizeram sua vida, é a hora que colocamos um sentimento diferenciado. Todo aniversário temos uma programação especial, mesmo com as dificuldades que vivemos estamos conseguindo ter algumas colheitas. São alguns projetos que plantamos e, em várias áreas, já temos um resultado para apresentar:

 

• Infraestrutura
Na área de infraestrutura urbana temos a decolagem do Pró-Transporte em onze bairros da cidade e vários deles com frentes de obras avançadas, até mais aceleradas do que o cronograma oficial do contrato. Já vamos inaugurar uma etapa e dar ordem de serviço a outra etapa. Essa obra deve durar até meados do ano que vem, com franca expansão de cronograma. Vamos urbanizar e matar um passivo de 50% do problema de pavimentação urbana. Dentre outras que a gente vê que na área de infraestrutura a gente consegue avançar, como é o caso da Rua Pains, que a gente quer dar uma conclusão para a obra que começa a deslanchar agora.

 

• Educação
Entregamos duas escolas de educação infantil com alto padrão, dobrando o número de vagas para as crianças em um espaço totalmente adequado. Foi inaugurada no bairro Antônio Fonseca, que vai atender toda aquela região, e no bairro Candidés está na programação a inauguração. E outras acontecendo com visitas técnicas que já devem servir à população no ano que vem.

 

• Saúde
Temos o SIM Saúde, que com todas as dificuldades que temos na área de saúde em todo o país, desde as grandes até as pequenas cidades, vimos que algumas coisas poderíamos adiantar em Divinópolis, e o SIM Saúde veio sintetizar isso. Temos 50 leitos SUS funcionando na Unidade II do Hospital São João de Deus, buscando credenciamento e remuneração, mas até lá o município está bancando isso.
As UEAs funcionando bem de 18 às 22h, com uma inovação importante para o sistema de descentralização de apoio às famílias, para ter um atendimento mais perto de casa e em outra linha, desafogando a UPA do atendimento ambulatorial, deu um equilíbrio importante no sistema.
No Samu já tivemos a primeira oficina. O Consórcio de Urgência e Emergência, que eu presido, que constitui as 54 cidades da nossa macro, está avançando. Estamos preparando para o segundo semestre a segunda oficina e preparando a construção da sede do Samu em um terreno que fica ao lado do Hospital Público.
A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) está em pleno funcionamento com mais de três mil atendimentos por mês. Tem alguns problemas, mas está indo muito bem. Estamos em fase de homologação. Na segunda quinzena de junho devem vir os técnicos da Secretaria de Estado para trabalhar na homologação e a expectativa é que a gente passe a receber ajuda de custeio de R$ 625 mil por mês para a UPA.

 

• Meio Ambiente
Na área ambiental temos um projeto estrutural forte que segue o nosso processo, inclusive, já tivemos a audiência pública para termos o nosso Aterro Sanitário devidamente licenciado e deve ser a primeira Parceria Público Privada (PPP) municipal. Temos um avanço importante que é a inauguração da primeira Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) na nossa bacia, no caso, a do rio Pará. Tivemos a entrega do reservatório de água que termina de vez com o problema do abastecimento de água na região Sudeste e também tivemos o lançamento do edital para a contratação da empresa que fará a ETE do rio Itapecerica. Com isso, firmamos no cronograma de despoluição das nossas águas.

 

• Segurança Pública
Não é uma função constitucional do prefeito, é um dever do Estado, mas com nossa articulação política e com convênio conseguimos a implantação do Olho Vivo que começa a funcionar neste aniversário da cidade. São 32 câmeras de vigilância que só foram possíveis porque a Prefeitura está colocando funcionário na Central de Monitoramento e assinou a responsabilidade de manutenção das câmeras para que o Olho Vivo viesse para Divinópolis. Será um divisor de águas na segurança pública da cidade.

 

 

 

Você disse sobre o meio ambiente. Na última terça-feira houve a abertura dos envelopes da licitação para escolher uma empresa que iria fazer o diagnóstico e elaboração de projeto para salvar o rio Itapecerica. Nenhuma empresa apareceu. O que vai ser feito agora?
É um assunto delicado e importante ao qual eu tenho dedicado certa energia porque nós não teríamos tempo hábil, dentro do cronograma do Ministério, de fazer outra licitação. As empresas caucionaram, pegaram o edital, nós estamos com a nossa equipe da Usina de Projetos, através do nosso vice-prefeito, Rodrigo Resende, trabalhando para ver se as empresas que caucionaram topam o contrato. Isso para tentar salvar este recurso que nós buscamos com tanta dedicação e às vezes a coisa pública demora a efetivar. Estamos trabalhando muito para que não percamos o recurso e estamos otimistas que tenhamos uma notícia positiva que vamos conseguir uma empresa do mercado para assumir o contrato dentro dos termos e preços colocados no edital.

 

 

 

Com relação ao Samu, a sede seria em uma área no antigo Pronto Socorro. Porque o local foi mudado para próximo ao Hospital Público?
Ocorre que colocamos este espaço no antigo Pronto Socorro, mas o governo do Estado achou melhor não funcionar um provisório lá. Será destinado cerca de R$ 2,5 milhões do governo do Estado para a construção da sede definitiva da Central de Regulação, com isso nós já destinamos o espaço de quatro mil metros quadrados ao lado do Hospital Público. Então o Estado, que é o que regulamenta este serviço, preferiu assim. O terreno já está topografado e já está em linhas avançadas para a contratação da obra junto ao governo do Estado.
O Consórcio de Saúde que foi criado para gerir o Samu já está com mais de 50 cidades aderidas, lembrando que o total da nossa Macro são 54 cidades, então estamos próximos do pleno. Estamos trabalhando cada hospital que existe na região, criando a Rede de Urgência, isso para saber quais hospitais podem receber o paciente de acordo com o protocolo de cada caso. Estes hospitais possuem quatro níveis, de acordo com o grau de complexidade, de tecnologia e capacidade de atendimento de cada um. Estamos trabalhando para que no primeiro semestre do ano que vem esteja tudo funcionando.

 

 

 

Qual é a maior dificuldade de Divinópolis hoje?
A maior dificuldade da cidade hoje é a gestão de custeio. O custeio cresce muito, a folha de pagamento da Prefeitura tem um cruzamento de remunerações automáticas, que trás um crescimento vegetativo da folha acima do que cresce a arrecadação. É uma situação complexa, fora que em todos os programas do Estado e da União, basicamente, o custeio fica para o município. Por exemplo, a per capta da merenda escolar vem em valor absoluto, o governo envia R$ 0,23 por criança e custa muito mais que isso. Então estes descompassos de custeio vão se acumulando e geram uma dificuldade grande na capacidade de investimento do município.

 

 

 

Naturalmente você entraria para a cidade como prefeito de Divinópolis, mas, além disso, você foi o prefeito do centenário de Divinópolis e o primeiro prefeito reeleito da cidade. Qual o desejo do prefeito para a cidade, como forma de retribuição pela confiança do povo?
Sou muito imbuído da minha responsabilidade histórica devido a todas estas conquistas e honrarias que a população me deu. Pegamos períodos difíceis de conjuntura financeira e crises no Brasil. No primeiro mandato pegamos a cidade após uma grave enchente e isso tudo muda todo o planejamento, que temos que redefinir prioridades por emergências, mas eu me mantenho muito firme no propósito que eu quero chegar. Entendo que não vou entregar uma cidade perfeita, sem problemas, isso nunca vai acabar, mas quero ser um prefeito que mais fiz asfaltamento nos bairros, habitação e escolas de educação infantil. Queremos coroar todo o SIM Saúde com a chegada do Samu e com o Hospital Público funcionando. Além disso, tem a despoluição do rio Itapecerica e a adequação dos resíduos sólidos e o Plano Diretor que a cidade tanto urgia e que nós viabilizamos depois de muita discussão.
São obras estruturantes, que às vezes a gente deixa de fazer algumas coisas que politicamente seriam até melhor, mas a gente deixa de fazer para ter obras que nossos filhos terão com uma estrutura de cidade melhor.

 

 

 

Qual a mensagem que você deixa para os divinopolitanos?
Queria neste momento dizer a população de Divinópolis que nós estamos trabalhando firme, fazendo da dificuldade o impulso para a conquista, entendendo que cada conquista é um novo desafio, mas que possamos celebrar nossa Divina cidade que está entre as 130 maiores do Brasil. Uma cidade admirada, tida como uma das 20 metrópoles do futuro, reconhecida como a quarta em Índice de Desenvolvimento Social, uma cidade colocada entre as 100 melhoras para se investir. Sabemos de todos os problemas que temos, mas temos orgulho de sermos divinopolitanos! Que Divinópolis possa sempre ser esta cidade esperança, do futuro, e melhor a cada dia para a gente viver e trabalhar!

 

“São alguns projetos que plantamos e, em várias áreas, já temos um resultado para apresentar.”

“Vamos urbanizar e matar um passivo de 50% do problema de pavimentação urbana.”

“Estes descompassos de custeio vão se acumulando e geram uma dificuldade grande na capacidade de investimento do município.”

“Sou muito imbuído da minha responsabilidade histórica devido a todas estas conquistas e honrarias que a população me deu.”

 

 

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.