terça-feira, 29 de Outubro de 2013 05:34h Carla Mariela

Restaurante Popular

Além dos vereadores de Divinópolis serão convidados: o secretário de desenvolvimento social Paulo dos Prazeres, o procurador geral Rogério Farnese, o controlador geral Gilberto Machado, o gerente do restaurante popular, Raimundo Nonato, os agricultores be

Após ato público realizado recentemente na câmara municipal de Divinópolis com objetivo de debater o anúncio feito pelo prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), sobre reajuste das refeições do restaurante popular, será realizada dessa vez, uma audiência pública a pedido da Comissão Permanente de Administração Pública em nome do vereador Anderson Saleme (PR), no dia 30 de outubro na casa legislativa, às 19h. A intenção é que representantes do Poder Executivo possam participar.

No anúncio apresentado pelo gestor do município relatava que a refeição que custava R$ 2 foi para R$ 5 e a marmitex, que era R$ 2,50, subiu para R$ 5,50. O ato público foi uma solicitação do diretório municipal do Partido dos trabalhadores (PT). Antes do início do ato, o secretário de desenvolvimento social, Paulo Sérgio dos Prazeres, que estava presente explicou que o debate era fundamental, do ponto de vista da democracia que se consolida no Brasil, do ponto de vista dos espaços públicos, da possibilidade das pessoas falarem e também do Poder Executivo demonstrar a sua posição. Porém, o secretário foi embora antes que a discussão iniciasse, após saber que se tratava de um ato público e não de uma audiência pública.

Nesse sentido, Anderson Saleme, decidiu marcar a audiência pública, para que os representantes da prefeitura pudessem participar apresentando os pareceres. Conforme o vereador, esta audiência pública será importante porque como antes o ato que teve na câmara foi uma reunião do partido dos trabalhadores, é necessário que outros autores importantes possam participar. Para ele, com a audiência pública serão convidados os representantes do prefeito Vladimir Azevedo, na pessoa do secretário de Desenvolvimento Social, Paulo dos Prazeres, do Procurador Geral do município Rogério Farnese, do Controlador Geral Gilberto Machado, também o gerente do restaurante popular, Raimundo Nonato, a Aprafade que deveria estar sendo beneficiada com a venda de produtos da agricultura familiar de Divinópolis e a Alimenta que é a responsável pelo restaurante popular.

Segundo Saleme, estas são pessoas essenciais para o debate. “Nós queremos que a Audiência Pública seja um instrumento de participação popular. Vamos chamar as pessoas para discutirem assuntos importantes, dar as explicações sobre o aumento das refeições, e ainda se é possível retroagir e haver uma redução no valor do prato do restaurante. Eu entendo que cinco reais é um valor muito alto, as estatísticas apontam que de 1.700 refeições estão sendo vendidas apenas 300. Houve uma redução drástica e eu entendo que deveria haver uma melhor explicação sobre esta situação”, ressaltou.

O parlamentar, Edimilson Andrade representando o PT, afirmou que participou do ato público e para ele, o restaurante popular não é só um restaurante, não é só comida. Conforme ele, o restaurante popular é um espaço multiuso para cultura, para treinamento, para cozinha Brasil. “A melhor forma de tratar aquele espaço, de colocar as cozinhas comunitárias, que se faça almoço ali e levem a comida aos menos favorecidos, igual querem, é indo até os bairros, como por exemplo, o bairro Terra Azul, no Jardinópolis, no Icaraí, por meio do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS). Estamos juntos com todos da administração para achar a melhor forma. Não é brigar e sim achar a melhor forma, porque muitas vezes as pessoas acham que o vereador traz o tema no sentido de briga, mas não é assim, o melhor a fazer é buscar a solução, um jeito mais adequado, e um preço melhor para atender a população”, destacou.
Ainda para Andrade, o seu temor maior é que o restaurante possa fechar. “O meu medo é que o local feche, porque no mês de fevereiro vence o contrato com a empresa que presta serviço, o meu medo é que não apareça mais empresa para a realização da prestação de serviço ao restaurante”, concluiu.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.