segunda-feira, 13 de Agosto de 2012 13:53h Gazeta do Oeste

Réu no julgamento do mensalão, prefeito de Uberaba vive inferno astral

Réu no julgamento do mensalão, condenado por fraude em concurso público, envolvido em batalha jurídica dentro do próprio partido. Esses são os principais ingredientes do inferno astral em que se afundou o prefeito de Uberaba, Anderson Adauto (PMDB), nos últimos tempos. Sem contar que ele traz no currículo um escândalo da época em que foi ministro dos Transportes no governo Lula, entre 2003 e fevereiro de 2004, com denúncias de favorecimento a empreiteiras e desvio de recursos públicos, que, sem investigação, acabaram arquivadas. Com o apoio do ex-presidente, deixou a pasta em fevereiro de 2004 para disputar a prefeitura da cidade no Triângulo Mineiro.

 

Os envolvidos no que foi considerado o maior esquema de compra de votos de parlamentares já descoberto no país, o mensalão, começaram a ser julgados há 10 dias pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Amanhã será a vez de Roberto Pagliuso, advogado de Adauto, um dos réus da Ação Penal 470, fazer a sustentação oral para tentar derrubar as acusações pelas quais o prefeito responde: crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

 

 

Enquanto se diz aliviado com o início do julgamento, que, para ele, será o momento para fazer sua ampla defesa, Anderson Adauto, 55 anos, considera injusto o resultado de um júri no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que, na quinta-feira, o condenou a três anos de reclusão por crime contra a fé pública, sentença que foi convertida em pagamento de multa. A tese da acusação, de que houve fraude no processo seletivo para a contratação de 43 agentes de saúde, em 2006, foi acatada por unanimidade. Por se tratar de condenação criminal por órgão colegiado, sendo o acórdão publicado, Anderson Adauto deverá estar inelegível por pelo menos oito anos e será enquadrado na Lei Ficha Limpa, o que joga por terra sua anunciada pretensão de disputar uma cadeira de deputado federal em 2014. Por meio de nota, o prefeito lembrou que, ao tomar conhecimento das denúncias, determinou seu imediato cancelamento. “Agi de forma preventiva, imediatamente, às denúncias e sem prejuízo a qualquer pessoa que seja”, disse o prefeito, que vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

Não bastassem esses problemas, Adauto também está no meio de uma disputa interna no PMDB, pela causa da indicação do candidato à sucessão municipal. Adauto – reeleito em 2008 no primeiro turno – e parte do diretório apoiam o ex-secretário municipal de Governo Rodrigo Mateus, enquanto a outra corrente defende o nome do deputado federal Paulo Piau. Indicado em convenção, após intervenção da Executiva Estadual no diretório municipal, Piau teve o pedido de candidatura indeferido por pedido de aliados de Rodrigo, indicado em outra assembleia de filiados. Por sua vez, Rodrigo também não conseguiu legalizar sua situação na Justiça Eleitoral.

 

 

 

 

 

 

EM

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.