Sancionada lei que cria Cidade Tecnológica sem investimentos garantidos

Prefeito assegura que empreendimento não se transformará em especulação imobiliária.

O prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), reuniu um forte grupo político e empresarial ontem de manhã na sede da Associação dos Municípios do Vale do Itapecerica (Amvi), para sancionar a Lei 7.817, que cria a Cidade Tecnológica. Para iniciar efetivamente a instalação do projeto, o Prefeito também assinou o decreto 11.451, que cria o Conselho Gestor de Implantação da Cidade Tecnológica, sendo esse o primeiro passo para tornar o empreendimento realidade.
Em seu discurso, o prefeito chamou toda a sociedade e a classe política à responsabilidade para que o projeto alcance seus reais objetivos. “Se cada um se dispersar, tem tudo para dar errado. É preciso que todos nós, vereadores, prefeito, sociedade civil, cumpramos o nosso papel”, disse em discurso.
A assinatura da lei que institui a Cidade Tecnológica ocorreu em um clima de otimismo, já que ainda não há investimentos garantidos. A única instituição acertada até agora é a Universidade Federal de São João Del Rei, que vai instalar um campus no local. Quanto ao Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) são boas as perspectivas, já que as negociações estão bastante avançadas.
Para o deputado federal, Domingos Sávio (PSDB), já é um grande passo. “Vamos ter agora mais duas universidades públicas, propiciando novos cursos, mais pesquisas, o que é muito importante, pois sem pesquisa, não há como pensar em desenvolvimento”, afirmou em seu discurso.

 

CIDADE DO SÉCULO XXI
Vladimir chegou à sede da Amvi pouco antes das 9h, horário marcado para a solenidade. Vestido informalmente, com calça e camisa azuis, paletó cinza, sem gravata, o prefeito mostrou-se extremamente afável. Antes de iniciar a solenidade, ele fez questão de cumprimentar vereadores, autoridades empresariais, jornalistas e parte do seu secretariado que compareceu ao evento. Embora tenha sido um ato político, o prefeito deu um tom informal e descontraído.
Na entrevista que concedeu à imprensa logo após o ato de assinatura da lei e do decreto, Vladimir disse que o ato de ontem significava a consolidação de um projeto que vem sendo construído há dois anos. “Um projeto inovador que abre um novo ciclo na área de desenvolvimento de Divinópolis. O que a gente quer é criar emprego de qualidade, produção de projetos, de patentes, de riqueza e fazer uma Divinópolis do Século XXI para futuras gerações”, afirmou.
O prefeito justificou a imediata criação do Conselho Gestor de Implantação da Cidade Tecnológica, afirmando que a iniciativa era necessária para que o projeto não fique só no papel. “O Conselho tem por objetivo fazer com que o projeto avance o mais rápido possível e quem sabe em breve estaremos ali lançando a primeira pedra fundamental”, disse.
Com os pés no chão, o prefeito acrescentou que a simples assinatura da lei não significa de imediato a chegada de novos investimentos. “A lei possibilita à gente fazer o desenvolvimento econômico e agora só depende de todos nós unirmos forças para isso, mas o mero fato de assinar uma lei não significa a chegada imediata de novos investimentos, afirmou.

 

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA
Em matéria veiculada pela Gazeta do Oeste, o ambientalista Jairo Gomes disse que o projeto da Cidade Tecnológica servia apenas para mascarar uma futura especulação imobiliária na área de cinco milhões de metros quadrados na comunidade do Choro, onde o projeto será instalado. O prefeito foi categórico em negar essa possibilidade. “Essa foi uma preocupação minha desde o início, que não fosse um projeto imobiliário e sim um projeto de desenvolvimento econômico e procurei garantir isso na lei. Primeiro reservei áreas mínimas para cada coisa, como moradia, empreendimento econômico, universidades e para a questão ambiental. A lei reserva percentualmente parte do terreno para cada uma dessas coisas. E ao mesmo tempo tem uma trava na lei que determina que para que se possa liberar qualquer tipo de construção e avançar na questão imobiliária, primeiro tem que viabilizar o lado econômico e universitário”, explicou.
A solenidade durou pouco mais de uma hora e teve a presença de vereadores, secretários municipais, dos deputados federal, Domingos Sávio (PSDB), e estadual, Fabiano Tolentino (PPS), enquanto Jaime Martins (PSD) enviou representante. Também esteve presente o empreendedor da Cidade Tecnológica, Aurílio Campos Guimarães. Representando o governo do Estado participou do ato o vice-presidente do Indi, Maurício de Oliveira Cecílio.

 

Frases
“Nós torcemos para que a Cidade Tecnológica dê certo. Mas, se amanhã não sair como gostaríamos que saísse, Divinópolis não pode parar. Divinópolis tem que continuar.”

Paulo César Santos , secretário Municipal de Desenvolvimento
“A Cidade tecnológica será âncora de esperança para o Desenvolvimento de Divinópolis.”

Rodrigo Kaboja, presidente da Câmara Municipal
“Hoje é difícil ser político. É difícil para a família, é difícil para nosso vizinho, nós estamos aqui tentando fazer o bem, por isso nós precisamos da ajuda de todos.”

Fabiano Tolentino, deputado estadual
“Nós não podemos ficar encolhidos, olhando para o próprio umbigo. Temos que caminhar juntos, pensar grande, ampliar nossa representatividade.”

Domingos Sávio, deputado federal
“A gente tem uma perspectiva, dentro do realismo, já que estamos no primeiro ciclo de trabalho, mas o barco pode não chegar a lugar nenhum se não cumprirmos nosso papel.”
Vladimir Azevedo, prefeito

 

Crédito da foto : Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.