quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015 09:37h Atualizado em 22 de Janeiro de 2015 às 09:44h. Lorena Silva

São João de Deus Saúde assegura atendimento aos usuários após rumores de falência do plano

Plano de saúde possui, no mínimo, doze dívidas protestadas em cartório

Após os rumores de uma possível falência do plano São João de Deus Saúde, que teria aproximadamente R$ 1,5 milhão em débitos protestados em cartório por laboratórios credenciados ao plano, a Fundação Irmão Diamantino – atual administradora do serviço – emitiu, na última terça-feira, uma nota oficial à imprensa assegurando o direito dos usuários a todas as coberturas contratadas.
O comunicado foi divulgado depois que no último dia 16 o site Divinews publicou uma matéria em que um empresário do município, cuja identidade não foi revelada, afirma que apenas para a sua empresa a dívida do São João de Deus Saúde chega a mais de R$ 1 milhão. Segundo a publicação, ao protestar a dívida no Tabelionato de Protesto de Títulos da Comarca de Divinópolis, o empresário teria encontrado outros onze débitos protestados que, juntos, somam R$ 228.458,44.
O empresário alegou ainda que, se no prazo legal de um mês o valor não fosse quitado, ele entraria na justiça com pedido de falência do plano. De acordo com o site, a dívida com o Laboratório Divinópolis totaliza R$ 128.121,01 e está dividida em cinco títulos. Com a empresa Biológico e Medicina e Laboratório Ltda a dívida é de R$ 95.518,24, em quatro títulos. Já a terceira empresa que protestou um único título de R$ 3.686,11 é o Centro de Pesquisa e Análise Clínica (Cepac). O último protesto registrado é de R$ 838,08, feito pela empresa Michigan Importação e Exportação Ltda.

 

ESCLARECIMENTOS
Sem negar as dívidas, a Fundação Irmão Diamantino se posicionou dizendo que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fiscaliza de forma contínua a questão econômico-financeira das operadoras de planos de saúde, com o intuito de evitar que problemas venham a colocar em risco de desassistência os seus usuários. Esclareceu ainda que a operadora tem o dever, conforme normativa, de constituir uma reserva financeira vinculada à ANS.
“A Fundação Irmão Diamantino vem tomando as medidas necessárias com foco na sustentabilidade da sua rede de prestadores, bem como atender as demandas junto a ANS, visando a assistência aos seus usuários”, explica a nota. A operadora ainda ressaltou que assegura o direito dos seus usuários a todas as coberturas contratadas, estando elas “integralmente cumpridas, rigorosamente dentro dos prazos máximos estabelecidos pela ANS.”

 

Crédito: Divinews

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.