quinta-feira, 27 de Novembro de 2014 05:32h Atualizado em 27 de Novembro de 2014 às 05:38h. Jotha Lee

Secretário de Fazenda diz que previsões para Divinópolis não são boas

Antônio Castelo revela que relatório de despesa e receita não reflete realidade financeira

O secretário municipal de Fazenda, Antônio Castelo, contestou matéria veiculada na edição de ontem da Gazeta do Oeste, dando conta de que o município estaria se recuperando financeiramente. A reportagem foi baseada no relatório de despesa e receita, publicado na edição de segunda-feira passada do Diário Oficial dos Municípios e mostra que nos primeiros dez meses do ano, as receitas correntes (R$ 345,1 milhões) ficaram acima das despesas correntes (R$ 308,9 milhões).
O secretário confirma os números, mas explica que o relatório é feito com base nas previsões orçamentárias e não reflete a realidade financeira do município. “De maneira alguma. O financeiro é efetivamente aquilo que entrou no caixa da Prefeitura e o orçamentário é uma projeção de recursos e que, via de regra, nos últimos anos não tem se realizado”, esclareceu.
Antônio Castelo, em poucas palavras, resumiu a caótica situação financeira da Prefeitura. “Nossa arrecadação continua abaixo da previsão orçamentária, ainda temos restos a pagar, há atrasos com fornecedores e o município continua em dificuldades financeiras, como acontece com 97% dos municípios brasileiros”, avaliou. “Temos procurado administrar isso e o que o prefeito Vladimir tem feito é gastar de acordo com o que arrecada”, acrescentou.
De acordo com o secretário de Fazenda, a arrecadação continua em queda e isso reflete diretamente no caixa da Prefeitura. “O que está no Portal Transparência [página na internet onde o município é obrigado a publicar receita e despesa] é o orçamentário, que não está atingindo nossas previsões, não tem dinheiro e nós temos que administrar o recurso que entra”, afirmou.

 

 

BOA NOTÍCIA
Apesar da caótica situação financeira do município, Castelo disse que o prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) mantém a política de valorização dos servidores. “Primeiro paga-se os servidores, depois os juros e por fim os fornecedores”, explicou. A boa notícia dada pelo secretário é que o município deve pagar os salários de novembro até amanhã. “Devemos pagar na sexta-feira os salários de novembro, conseguindo assim manter o pagamento antecipado, já que temos por força legal prazo até o quinto dia útil do mês subsequente para quitar os salários”, informou.
O orçamento do município para o ano que vem, de R$ 604,5 milhões, teve um acréscimo de apenas 5% em relação a esse ano. Essa previsão orçamentária enxuta significa que a Prefeitura trabalha com a possibilidade da arrecadação continuar em baixa. “Não tenha dúvida. Não vemos perspectiva de aumento da receita em 2015”, previu Antônio Castelo.
O secretário explicou que a única forma de manter o equilíbrio financeiro no município é gastar efetivamente aquilo que arrecada. Entretanto, como as previsões de arrecadação feitas em anos anteriores não se confirmaram, a dívida do município aumentou e continua crescendo. “Anteriormente foi feita a previsão orçamentária que não se realizou e a cada ano os restos a pagar vão aumentando e isso vai acumulando trazendo mais dificuldades”, acrescentou.
De acordo com Antônio Castelo, o governo Vladimir planejou pagar a dívida de anos anteriores até o final de 2016, seu último ano de mandato. “O que ficou de restos a pagar em 2013, estamos tentando reduzir em 33,33% esse ano, mais 33,33% em 2015 e mais 33,33% em 2016 para tentar entregar o município dentro daquilo que efetivamente deve ser feito.”
Segundo ele, as medidas de economia ainda não mostraram resultados esperados. “Não tem como você tomar algumas medidas que vão estancar o problema em sua totalidade. Tem que ser feito por etapas e de acordo com a necessidade. As medidas que foram tomadas, dentro da meta que estabelecemos, foram eficazes, mas não o suficiente”, esclareceu.
O secretário finalizou com uma informação preocupante. “O sinal na Prefeitura continua amarelo, com viés para o vermelho. Eu seria leviano em dizer que o município está tranquilo com relação à sua situação financeira. Não, não está. Estamos no amarelo para vermelho, quase chegando ao vermelho. As previsões não são boas e cabe a nós, que estamos aqui, administrar isso, especialmente gastando só aquilo que arrecada. Estamos trabalhando firmemente para eliminar todas as pendências até o final do governo Vladimir”, concluiu.

 

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.