terça-feira, 10 de Dezembro de 2013 04:01h Atualizado em 10 de Dezembro de 2013 às 04:06h. Carla Mariela

Sede própria da Prefeitura de Divinópolis recebe R$ 5 milhões para a continuidade das obras

O vice-governador, Alberto Pinto Coelho, esteve ontem em Divinópolis, para a liberação de recursos no valor de R$49,6 milhões para 27 municípios, por meio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). O encontro ocorreu na Associação dos Municípios do Vale do Itapecerica (Amvi), com a presença do prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) e demais lideranças políticas. O gestor assinou o contrato de financiamento no valor de R$ 5 milhões que serão destinados à construção da sede própria da Prefeitura. A obra possibilitará a economia de R$ 2,5 milhões com aluguéis por ano.
De acordo com o vice-governador ele estava satisfeito de voltar a Divinópolis para fazer mais uma entrega de um programa de governo focado no desenvolvimento dos municípios. O programa a qual ele estava se referindo é o projeto conhecido como Soma. Ele explicou que este programa possui quatro alternativas de aplicação. Uma voltada para a sede administrativa das prefeituras, outra para o saneamento, outra para máquinas e outra para as vias públicas.
Ainda conforme Alberto Pinto Coelho soma-se a este programa o projeto conhecido como Pró-municípios, o qual tem possibilitado outra forma de apoio a Minas Gerais, um programa da ordem de R$ 2 bilhões e 100 milhões. Outra boa notícia dada pelo vice-governador é com relação a uma decisão de governo, quanto a um programa já anunciado em audiência pública de estender a telefonia celular aos distritos de Minas Gerais. “Portanto estamos num momento em que os municípios passam por uma crise mais aguda, mais acentuada como consequência da diminuição dos recursos do FPM e a grande maioria dos municípios vivem do repasse desse recurso.O governo de Minas veio em uma boa hora ampliar esta parceria republicana com os municípios mineiros”, afirmou.
Os recursos poderão ser usados pelos gestores dentro das quatro aplicações, a partir daí a decisão é dos prefeitos de como usá-los. Segundo Alberto Pinto, a visão do banco BDMG é no sentido de ampliar a oferta. O programa dentro da sua aplicação tem uma carência, naturalmente são juros atrativos que estimulam os municípios.
O prefeito Vladimir Azevedo abordou que este recurso soma para garantir o fluxo da obra do centro administrativo. Para ele, o valor total do centro administrativo de acordo com projeto integral é de R$ 22 milhões. “Já colocamos R$ 7 milhões do orçamento próprio do município. Esses R$ 5 milhões vem fazer uma soma, dar fluxo à obra, estamos trabalhando outras fontes de recursos para que possamos entregar uma primeira grande etapa, que significa a mudança de todo o prédio da rua Pernambuco, da secretaria de saúde, o que corresponde a metade do aluguel da prefeitura. Esse recurso adianta a obra. O governo de Minas sempre foi parceiro em vários projetos que temos. Este é um empréstimo fácil de ser pago, porque é com a própria economia dos aluguéis. O período de carência é na ordem de seis meses e tem toda uma lógica que vai trazer uma parcela próxima de R$100 mil”, destacou.
O presidente do banco BDMG, Matheus Carvalho, disse que para um banco de desenvolvimento é fundamental a parceira com os municípios e o banco está preparado para atender as cidades. “Já liberamos R$1 bilhão 200 para mais de 500 municípios de Minas Gerais. A taxa de juro depende do produto que for tomado pelo município”, esclareceu.
As cidades contempladas são: Abaeté, Alpinópolis, Bela Vista de Minas, Bueno Brandão, Camanducaia, Campanha, Carmo da Cachoeira, Conceição da Barra de Minas, Curvelo, Divinópolis, Doresópolis, Elói Mendes, Frutal, Lagoa da Prata, Nova Ponte, Nova União, Olímpio Noronha, Perdigão, Pimenta, Piumhí, Santo Antônio do Monte, São Roque de Minas, São Tiago, Três Pontas, Turvolândia, Vargem Bonita, Pedra do Indaiá.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.