sexta-feira, 26 de Outubro de 2012 06:36h Carla Mariela

Semed realizou reunião com mães e educadoras sobre retirada dos monitores das vans escolares

Após reunião ordinária da Casa Legislativa, na última terça-feira onde estiveram presentes no plenário, mães e educadores, para reivindicar sobre o cancelamento do convênio entre prefeitura e monitores das vans escolares do Município, deixando os pais das crianças entre três e quatro anos, preocupados com essa situação. Ontem, na Secretaria Municipal de Educação, aconteceu uma reunião com os pais para explicar o motivo da retirada.

 


Durante as reivindicações na Câmara Municipal, Gleicimeire da Conceição Pereira, que trabalha com telemarketing, mãe de aluno que utiliza van para ir até a escola, questionou a ausência dos monitores. “Nossos filhos estudam em Escolas Municipais e ficamos sabendo que tiraram os monitores das escolas, sendo que existem crianças menores de quatro anos nas vans, nos ônibus. Como que um motorista vai andar em um ônibus com mais de 40 crianças sem os monitores, com mochilas, crianças que às vezes não conseguem colocar o seu próprio cinto de segurança? Sem os monitores, o motorista terá que parar o ônibus, chegou ao ponto de parada ele terá que descer da van para retirar a criança, uma por uma”, relatou.

 


Vera Lúcia de Sousa Santos, que também estava no plenário e quis conversar com a reportagem, destacou que o bairro Cacôco precisa de dois monitores no momento de levar as crianças para as escolas, uma para pegar as crianças e uma para retirá-las das vans. “É preciso dos monitores, para tirar o cinto das crianças, às vezes uma criança morde na outra; na volta são duas viagens, uma que ocorre às 4hs30 e uma que ocorre às 5hs. Eu ouvir falar que vai haver o corte de uma dessas viagens, se o ônibus tem 45 lugares, na volta vai aumentar o número de crianças. E se ele colocar mais de 45 crianças como que elas vão usar o cinto de segurança? Se já é contado? A estrada está péssima, é buraco de um lado e buraco de outro. A última chuva que teve em setembro, o ônibus do Cacôco não foi até o ponto final, por causa dessa estrada de chão. Já insistir, já briguei e até agora não foi feito nada”, ressaltou.

 


Em pronunciamento, o vereador Adair Otaviano (PMDB), defendeu essas mães. “Quero dizer que tem praticamente 26 pais do bairro Jardim das Acácias aqui, chateados, pedindo o nosso apoio, porque estão sendo dispensados os monitores. Como que serão feito esses transportes? Os pais vieram até a casa para mobilizar a secretária de educação, pois como que vai ficar esse transporte sem monitores?”, defendeu os pais.

 


Na reunião, a secretária de Educação, Eliana Cançado, explicou como vai funcionar a partir de agora. “Os ônibus que servem as crianças do Jardinópolis, cuja educação infantil é atendida no Cacôco, na Escola Joaquim Rodrigues, haviam dois monitores, nós retiramos um, porque um faz muito bem o trabalho, como houve a queda do FPM, os municípios tiveram que se readaptar. Dos ônibus que levam as crianças ao Jardinópolis e que vão para o Cacôco não foram retirados os dois monitores. Tem um monitor que continua fazendo o trabalho” ressaltou.

 


Em relação às mães da Escola Darcy Ribeiro que procuraram a Câmara, Eliana, explicou que quando a administração da Educação começou, ela funcionava junto ao prédio da igreja do Niterói e é um prédio que ainda tem porão e aparecia muitos escorpiões, as famílias, as professoras, ficavam apavoradas, e imediatamente as crianças foram retiradas do local. “Nós reformamos a secretaria de Educação quando saímos de lá, passamos as crianças da Darcy Ribeiro para lá até a construção da escola. Essa construção demorou porque houve uma questão do terreno que era inventário e essas questões são demoradas para resolver. As crianças estão lá na Darcy Ribeiro, e fizemos um acordo para as mães, iremos transportar as crianças até a escola, não que não tenha nenhuma legislação que nos obrigue a fazer isso, mas as mães mostraram temerosas dos filhos atravessarem a ponte, então nós fizemos isso. Nós mantemos três ônibus e esses ônibus têm o custo muito elevado e para não tirar nenhum veículo, preferimos mexer nos monitores, porque como o trajeto é muito pequeno, então é possível fazer”, esclareceu.

 


A reunião serviu para que a secretária conversasse com os pais e verificasse qual a opinião deles. A posição da secretária foi que se os pais quiserem manter as crianças na Darcy Ribeiro sem o monitor por não ter o orçamento devido à queda do FPM, podem mantê-los, senão a secretaria estará aberta e disposta a conseguir outras vagas nos bairros “Nós temos ali, no bairro Niterói, a Escola São Vicente, na Antônio Olímpio a N.S.Sagrado Coração. A reunião ocorreu no sentido de que as mães pudessem conversar com a secretária. para ver se encontram uma solução”, finalizou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.