SINTRAM aguarda nova reunião com Executivo sobre negociação salarial

Secretário justifica que Vladimir estava em viagem a China, mas acredita que resposta em breve será encaminhada

O Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste (SINTRAM) há cerca de um mês enviou ofício ao prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) levantando algumas “considerações” sobre a resposta do Executivo as reivindicações da Campanha Salarial de 2011. De acordo com Silvânio Alves, presidente do SINTRAM, até a presente data não houve resposta do ofício sendo que a ideia do mesmo é o agendamento de uma nova reunião com a presença do prefeito Vladimir para fechar as negociações, já que algumas questões não foram respondidas como as perdas salariais retroativas a 2005 e a revisão do ticket alimentação de R$ 7,00 para R$ 10,00.


O presidente salientou os benefícios atendidos pela Prefeitura Municipal de Divinópolis na negociação da campanha de 2011 como: a licença maternidade de 4 para 6 meses; a preocupação com programas voltados para Saúde do Trabalhador/Condições de Trabalho; a implantação e regulamentação sob critérios da legislação federal da ampliação do auxílio intermunicipal para servidores que residem fora do município; e o reformulação do CRESST  e ampliação das possibilidades de ação da CIPA.  Relativo às perdas salariais, Silvânio explica que de 2005 até o ano atual está havendo o reajuste salarial, mas retroativo a 2005 eles reivindicam a negociação de um cronograma para recomposição dessas perdas. Também é pleiteado que o aumento do vale transporte vigore a partir de  janeiro de 2012.


A reportagem buscou informações junto ao Secretário de Planejamento e Gestão da Prefeitura, David Maia - que conduziu as negociações com o SINTRAM - sobre a não resposta da administração até então. Por sua vez, o secretário esclareceu que o prefeito, foi oficializado, “no momento que estava preparando a viagem a China”, mas certamente Vladimir já está “organizando a resposta do município para ser encaminhada ao SINTRAM” sobre essa nova agenda de debates. O prefeito esteve no exterior no período de 08 a 21 de outubro, sendo que oficio protocolado pelo SINTRAM em seu gabinete é de data de 23 de setembro.


Sobre as reivindicações apresentadas pelo SINTRAM, David explicou no que tange a Secretaria de Planejamento foi feita a negociação e a mesma evoluiu até onde a Prefeitura tinha possibilidades. Nesse contexto, ele argumenta que hoje a administração vive a “evolução do PCSS da Educação” impactando nas contas municipais, e somado a isso foi acordado nessa campanha salarial com o SINTRAM a “reformulação da saúde ocupacional” e a prorrogação da licença maternidade de quatro para seis meses.  “A proposta de licença maternidade está sendo submetida ao Legislativo para prorrogação de quatro para seis meses. Alguém vai ter pagar essa conta, ou seja, esses dois meses serão pagos pela municipalidade”, disse. Ele frisou ainda que esse foi o “presente”, que o prefeito Vladimir Azevedo (PSDB) deu aos servidores esse ano.


Perdas salariais


Relativo às perdas salariais, David justificou que esse ano as categorias já tiveram reajuste de reposição de inflação, bem como a evolução dos Planos de Carreiras - chegando até 3% em determinado ano dependendo do tempo na administração - e as categorias, que tem relação com o piso tiveram reajuste de quase 10%, que acompanhado o aumento do salário mínimo.  Referente à questão do vale alimentação, David diz que irá certamente chegar o momento da Prefeitura discutir a questão, mas é preciso considerar os limites financeiros da administração. “Nós temos “um time” e esse nosso time tem alguns limites e esses limites são financeiros de fato”, declarou


Comparação


O secretário David argumenta que é preciso comparar Divinópolis com outras administrações do entorno nessa questão da evolução dos benefícios. “A gente discute: Vamos evoluir mais? Sim, vamos evoluir mais. Mas vamos também comparar com os municípios do entorno. Eles podem responder se têm metade dos benefícios que os nossos servidores têm”, disse David


Também dentro desse quesito de comparações, o controlador do município, Kelsen Rios - também presente durante a entrevista - argumentou que “acha interessante” que em outros lugares do Brasil os sindicatos façam discussões em torno de situações como: “Porque o salário do mês atrasa?” ou “Porque estão há dois três anos sem reajuste?”. “Olha o nível que chegamos, que interessante? O sindicato coloca como principal pauta de reivindicação perdas anteriores a 2005”, pontuou Kelsen.


Novos gastos


O secretário de Fazenda Antônio Castelo, também presente durante a entrevista, complementou dizendo que referente à licença maternidade: quatro meses serão pagos pelo DIVIPREV e os dois restantes serão o Executivo, que irá arcar. Além disso, David afirma que o projeto de Saúde Ocupacional acordado com o SINTRAM deve alcançar a cifra de R$1 milhão em 2012.  “As reivindicações nós temos um time para poder desovar. Entendemos que são legítimas e essa conversa é sempre muito saudável com o sindicato e o prefeito certamente irá encaixar no curto prazo essa agenda”, declarou.


Beneficio


O secretário finaliza dizendo também como benefício dos servidores a transformação do vale transporte em pecúnia (dinheiro em espécie). “Nós tivemos a opção de passar para cartão e optamos por utilizar uma legislação federal, que nos permite em pagar em espécie. E ai cada um faz o uso que bem entender se quiser vir de bicicleta, a pé”, declarou David.


 

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.