Torquato recorre ao TSE e diz que Justiça está perdendo tempo

Candidato admite que cometeu um erro na campanha de 2010

O candidato a deputado federal, Jorge Torquato (PSOL), protocolou ontem à tarde recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na tentativa de reverter decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que indeferiu seu pedido de registro. Torquato foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa, em razão de doação feita à sua campanha de 2010, que superou o limite legal permitido. A doação, de R$ 15 mil, foi feita pela empresa de propriedade de Jorge Torquato.
A condenação, que gerou multa de R$ 64 mil e suspendeu os direitos políticos por oito anos, foi imposta à pessoa jurídica, ou seja, à empresa doadora, na figura de seu diretor, Jorge Torquato. Ontem à tarde ele ingressou com Embargos de Declaração com efeito modificativo, na tentativa de reverter a decisão. Antes de protocolar o recurso, Torquato conversou com a Gazeta do Oeste.

 

 

GAZETA – O senhor tem boa expectativa com relação a esse recurso?
JORGE TORQUATO – Repito que estou sendo penalizado por um pequeno erro que cometi em 2010. Estou recorrendo há quatro anos e tenho, sim, boa expectativa, se bem que a questão dos tribunais foge de nossa alçada.

O senhor já disse que foi punido por ser honesto. Valeu a pena ser honesto?
Isso é questão de família, questão de caráter e ideologia. Sim, vale a pena ser honesto. Ser honesto não é mérito, não é obrigação de ninguém. Todos nós temos que ser honestos e não pedir nada por isso.

O senhor acredita na Justiça?
Sim. A justiça existe. Às vezes, lenta, às vezes comete alguns equívocos. Mas a Justiça que temos é essa que aí está. O que tiver que ser, será.

O senhor admite que cometeu um pequeno erro. O senhor fez isso consciente?
Certamente que não. Ninguém, em sã consciência, comete um erro. Erramos por falta de uma assessoria compatível. Mas nosso partido é pequeno, está em crescimento e não temos experts em vários segmentos. Aconteceu. Infelizmente aconteceu. Achei que o Poder Judiciário deu uma conotação muito grande ao pequeno erro que cometemos. Considero isso uma perda de tempo, levando-se em consideração os grandes erros que estão à vista do Judiciário. Eles perdem tempo comigo, enquanto poderiam resolver coisas de dimensão muito maior.

Como o senhor avalia a atuação dos atuais deputados federais?
Acredito que eles são subservientes ao poder, especialmente aos governadores. Eles tocam o mandato quase sempre dizendo ‘amém’ ao governador. Muitas vezes, também, compram votos com emenda parlamentar. Não é possível governar com emendas parlamentares.

E sua avaliação à administração municipal?
Divinópolis está passando por um dos momentos mais caóticos de sua história, em todos os sentidos. Acho que Divinópolis está regredindo e isso não ocorre somente nesta administração. Infelizmente, sobre o governo do município, sem maiores comentários. Uma lástima.

 

 

 

 

 

Último recurso
Até que o recurso de Jorge Torquato seja julgado, ele continua candidato, podendo fazer campanha e com direito à propaganda no rádio e na TV. O TSE tem até o próximo dia 23 para emitir seu parecer. Se até lá isso não ocorrer, Torquato poderá concorrer normalmente e, vencendo as eleições, tomará posse. O resultado do TSE poderá, ainda, ser contestado no Supremo Tribunal Federal (STF).

 

 

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.