quarta-feira, 3 de Outubro de 2012 13:23h Gazeta do Oeste

Tribunal realiza no sábado sorteio de urnas para auditoria

O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) realiza, no dia 6 de outubro (sábado), às 9h, na Sala de Sessões da Instituição (Avenida Prudente de Morais, 100, 3º andar, Bairro Cidade Jardim), uma audiência pública para o sorteio das quatro urnas eletrônicas (uma em Belo Horizonte e três do interior) que serão usadas na votação paralela. O procedimento funciona como uma auditoria para comprovar a segurança e a confiabilidade do sistema informatizado de votação, por meio da comparação dos resultados da votação na urna eletrônica e em duas mil cédulas de papel (500 por urna).
Participam da auditoria representantes de partidos políticos e instituições parceiras do TRE-MG, convocados por edital. O sorteio e o processo de auditoria serão conduzidos pelo presidente da Comissão de Votação Paralela, juiz Cássio Fontenelle.

As urnas sorteadas serão retiradas, ainda no sábado, de seus locais de origem (com seus programas de votação) e transportadas, de helicóptero, carro ou avião, para o TRE-MG (Avenida Prudente de Morais, 280), onde ficarão sob a vigilância da Polícia Militar do Estado. Os juízes das zonas eleitorais sorteadas serão comunicados, por fax e telefone, pelos magistrados que conduziram o sorteio, para providenciar a substituição das urnas sorteadas por outras do estoque de reserva, a fim de que o eleitor possa votar normalmente em 7 de outubro.

A votação paralela foi instituída pelo TRE-MG nas eleições municipais de 2000 e, desde 2008, todo o processo é acompanhado por uma empresa de auditoria externa, contratada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Entenda os procedimentos no dia da votação paralela

No domingo (7 de outubro), em cada urna eletrônica sorteada será feita uma votação idêntica à oficial, utilizando-se os candidatos que concorrerão no pleito daqueles municípios e as inscrições dos eleitores habilitados nas seções sorteadas. Esse procedimento ocorrerá no prédio anexo do TRE, à avenida Prudente de Morais, 280.

Após a emissão dos relatórios zerésima, expedidos pela urna e pelo sistema de apoio à votação paralela, serão iniciados os trabalhos de auditoria, observados os seguintes procedimentos para cada urna:
- retirar uma cédula preenchida da urna de lona;
- ler em voz alta, à vista dos fiscais, os votos contidos na cédula, possibilitando que estes anotem em suas planilhas;
- habilitar, no microterminal, um eleitor para votar;
- digitar o voto em computador, no sistema de apoio à votação paralela (SAVP);
- colocar o espelho da cédula de votação sobre o vídeo do terminal do eleitor para que seja filmado, antes de ser lançado na urna eletrônica;
- ler, para gravação pelo equipamento de filmagem, o conteúdo da cédula simultaneamente à digitação de cada voto;
- arquivar a cédula digitada e seu espelho;
- encerrado o ciclo de votação daquela cédula, reiniciar o processo, que se estenderá até o final do período de votação, repetindo-se os procedimentos;
- às 17 horas, emitir o relatório de votação do sistema de apoio, onde constarão os votos digitados no microcomputador e os boletins de cada urna eletrônica;
- de posse dos relatórios (do micro e das urnas), ler e confrontar os resultados, que deverão ser iguais, comprovando a segurança e a confiabilidade da urna eletrônica;
- os votos dos boletins das urnas também devem corresponder aos anotados nas planilhas pelos fiscais.
Todos os procedimentos no ambiente da votação paralela serão filmados em tempo integral, por câmeras posicionadas na frente do terminal do eleitor. Caso não haja coincidência entre os resultados, deverá ser rastreada, nas fitas de vídeo, a gravação dos votos que apresentaram diferença.
Os procedimentos da votação paralela estão estabelecidos nas Resoluções 23.365/2011, do TSE, e 890/2012 do TRE-MG.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.