quinta-feira, 23 de Junho de 2011 15:32h Flávia Brandão

Vereador Edson Sousa protocola lista de nomes para depoimento na CPI

Presidente da Câmara afirma que cabe aos membros da Comissão decidir quem irá depor.

O vereador Edson Sousa (sem partido) protocolou na última terça-feira (21) o ofício nº 621 solicitando a convocação de 15 pessoas para que sejam ouvidas pela Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI, que foi instalada no último dia 16 para apurar as denúncias de suposto esquema de corrupção com negociação de cargos junto à Copasa e recebimento de propina da Trancid envolvendo o parlamentar. Entre os nomes que se destacam na lista apresentada por Edson estão a convocação do prefeito Vladimir Azevedo (PSDB), do deputado Domingos Sávio e até do ex-prefeito Demetrius Arantes Pereira. Mas a “convocação” foi descartada pelo presidente da Câmara Pastor Paulo César (PRB), que adiantou que o vereador Edson Sousa está na CPI “como réu” e assim não tem a prerrogativa de “convocar nomes” ou mesmo “determinar”, ao contrário disso poderá apenas sugerir nomes durante um dos seus depoimentos, cabendo aos membros da CPI estudar a necessidade de convocar ou não as pessoas solicitadas ou outras mais.


O vereador Edson Sousa direcionou a lista de nomes ao futuro presidente da CPI, cargo esse que será ocupado pelo vereador Edmar Rodrigues (PRTB) ou pelo vereador Adair Otaviano (PMDB), em decisão a ser tomada durante a primeira reunião da Comissão, que será convocada pela vereadora Heloisa Cerri (PV). No documento, Edson justifica a lista de pessoas afirmando “é muito importante que sejam ouvidas, pois têm muito a esclarecer e contribuir com os trabalhos da CPI, por tratar-se de assunto de relevante interesse para a vida pública e para a ordem constitucional, legal, econômica e social do Município”. 


Entre os nomes citados estão: Roberto Clementino  ex-assessor de Edson Sousa que foi citado pelo cidadão José Venâncio na denúncia de negociação de cargos na Copasa; Ricardo Rocha Santos  assessor do deputado Domingos Sávio; Régis Carlos de Faria tio do prefeito Vladimir Azevedo; José Venâncio Amaral  que usou a tribuna livre e acusou o vereador Edson Sousa de negociação de cargos na Copasa  e que apresentou posteriormente à imprensa CD  com gravações envolvendo a denúncia com a Trancid; Jurandir José de Sousa e Valdeci José de Sousa irmãos do vereador Edson Sousa;  José Satiro da Costa e Silva proprietário do terreno em frente ao Campo do Guarani; Walon Delano Castro atual secretário de Comunicação da Prefeitura; o secretário de Meio Ambiente Pedro Coelho Amaral; o superintendente da Usina de Projetos da Prefeitura Lúcio Espíndola de Sena; o empresário Carlos Eduardo Resende dos Santos  proprietário da Trancid; o vereador Rodyson do Zé Milton (PSDB).
Relativo a convocação do prefeito, Edson solicitou no ofício que a mesma seja formalizada pela Mesa Diretora da Câmara, conforme determina o Art. 101, parágrafo 20 do Regimento Interno da Câmara.  Ao final do texto, o vereador solicita também que todas as reuniões sejam realizadas no plenário, abertas a população e a imprensa e que todos os depoimentos sejam gravados na íntegra.


O vereador afirma que fez o protocolo da lista de nomes porque deseja ansioso que a verdade seja esclarecida a toda população. O parlamentar foi enfático ao dizer que pessoas ligadas ao prefeito Vladimir e ao deputado Domingos Sávio tem envolvimento nos fatos e as mesmas têm que vir a público esclarecer a população.  “O prefeito Vladimir tem que vir a público rápido explicar porque o tio dele, o senhor Régis, juntamente com o Ricardo Salgado, assessor do Domingos Sávio, gravaram uma fita sem autorização da Justiça. Uma fita contando mentiras absurdas, tentando me colocar no chão, me desmoralizando, então iremos a fundo agora. (...)  Nós estivemos fazendo uma análise e essas pessoas deverão ser ouvidas porque são pessoas, que deixaram digitais nessa ação criminosa contra a minha pessoa”, finalizou o vereador.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.