sexta-feira, 6 de Dezembro de 2013 04:18h Carla Mariela

Vereador pronuncia sobre indicação que deverá trazer Samu para Divinópolis

O vereador da câmara municipal de Divinópolis, Dr. Delano Santiago (PRTB), em uma entrevista recente a Gazeta do Oeste, ressaltou sobre a importância de uma indicação que ele elaborou após visitar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Itaúna.
De acordo com o parlamentar, a equipe da cidade de Itaúna está bem estruturada e assim como na cidade vizinha, Divinópolis e outros municípios também necessitam deste serviço. Para ele, o Corpo de Bombeiros de Divinópolis precisa desta colaboração, uma vez que a corporação é que faz todo o serviço na cidade, ou seja, eles tiram o “gato” de cima de uma árvore, apagam o fogo, socorrem as pessoas seja em casa ou pelas ruas.
Conforme Dr. Delano, os Bombeiros fazem todo o trabalho em um sistema que não consegue mais ser gerido. E que nesse sentido, a cidade precisa de uma equipe do Samu. “Junto com o Samuteríamos o hospital público que já está sendo criado. Mas, as duas coisas juntas geram milhões de reais mensais. O Samu tem que vir para Divinópolis porque ele é benéfico, mas a gente tem que pensar também em quem vai gerar o custo. Fazer questionamentos também como, por exemplo, o Samu vai ser Estadual? Municipal? Sabemos que o Samu foi criado pelo governo do Estado, mas precisa ter uma reversão de repasse”, afirmou.
O vereador ainda questionou que Divinópolis sendo polo regional comporta aproximadamente 54 cidades e se o município for receber este povo todo, quem é que vai fazer o repasse para a propagação do Samu? Segundo ele, a equipe é estruturada, mas não se pode pegar o Samu que é composto por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, administrativo e lançá-lo e amanha dizer: agora não vai mais funcionar.
Entretanto, Dr. Delano afirmou que é preciso saber se o hospital público terá uma gestão por meio de concurso público, contrato ou OS; porque a primeira coisa que deve ser feita para se ter o Samu na cidade, para ele, é estruturar um bom pronto socorro funcionando. “Nós não temos um bom pronto socorro em ação, até mudou de nome, o pronto socorro não pode ser chamado mais assim, senão não tem repasse de verba, ele tem que ser chamado de Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Já tivemos a notícia por meio do vereador Rodrigo Kaboja (PSL) que também junto a aquela polêmica de terrenos que são da câmara ou da prefeitura, o terreno do pronto socorro também é da câmara, a gente nem sabia disso. Portanto, fiz a indicação sobre o Samu, mas primeiro, para que ele possa chegar a Divinópolis tem que haver o aparato de um bom pronto socorro. Com este pronto socorro que tem hoje não tem jeito. Estamos esperando a inauguração do hospital público, com esse pronto socorro, que deve ser referência e aí sim a gente vai ter o Samu chegando a Divinópolis. O Samu tem que ter um heliponto porque às vezes é preciso fazer um resgate, e o heliponto vai servir como apoio. Por isso é fundamental a ambulância e o helicóptero”, afirmou.
Para finalizar ele, relatou que no Ponte Funda na região sudeste de Divinópolis foi criada uma UPA que está fechada há quase dois anos. A princípio a ideia do vereador era que esta UPA poderia servir como base para o Samu, pelo fato de Itaúna ter uma base fora de um pronto socorro. Porém, isso não pode ocorrer até então porque esta UPA foi criada para desafogar o atendimento que ocorre na UPA do centro da cidade. “Esta é uma das coisas que a gente questiona, porque Divinópolis teve um orçamento votado neste ano de mais ou menos R$ 650 milhões e isto é um questionamento que a gente precisa que o Poder Executivo responda, é: desse dinheiro nós já sabemos que houve um pequeno desfalque e não chegou ele todo, mas foi votado. Mas, quais as obras que nós vimos no ano de 2013? Fica a pergunta”, concluiu.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.