quarta-feira, 12 de Março de 2014 04:39h Atualizado em 12 de Março de 2014 às 05:47h. Carla Mariela

Vereador suspeito de agressão retorna às atividades da casa legislativa

Desde o dia 17 de fevereiro, após ser apontado como suspeito de agredir a noiva,o vereador RodysonKristnamurti (PSDB) não comparecia às reuniões ordinárias da casa legislativa de Divinópolis.

Ele se afastou dos encontros após a apresentação de um atestado médico. Ontem, com o plenáriodividido por opiniões, porém com a presença da maioria das pessoas a seu favor; ele retornou às atividades e usou a tribuna livre para se pronunciar.

Durante discursoRodysonKristnamurti afirmou que optou por estar na vida pública e que às vezes isso gera algumas perseguiçõesquanto a vida pessoal, mas ele entende que a atitude de quem não está a seu favor é normal e faz parte. Ele deu continuidade ao seu pronunciamento pedindo a Deus discernimento e sabedoria, além de relembrar que foi eleito por dois mandatos, que teve a honra de ser presidente da “casa”, situações estas que segundo o parlamentar, mostram o porquê ele foi escolhido pelo povo.

RodysonKristnamurtirelatou que questões da sua vida pessoal ele responderá nas áreas competentes, uma vez que já está tudo providenciado. E que na câmara ele estariapara legislar. “Fui eleito para fiscalizar e não vou correr deste compromisso. Daqui não irei sair. Assuntos pessoais eu vou responder nas áreas competentes. Não existiu o que foi maquiado por grande parte da imprensa. Quero agradecer meus familiares, os meus amigos, os vereadores, assessores, os técnicos do legislativo e vou continuar de cabeça erguida. Vou trabalhar até o final do mandato”, afirmou.

O vereador havia sido acusado por Patrícia Vasconcelos de agressão após descobrira infidelidade do noivo. A Polícia Militar foi acionada por Patrícia no dia 17, mas quando os militares chegaram à residência do parlamentar, o mesmo não foi localizado. Patrícia denunciou o caso na Delegacia de Mulheres.

Alguns dias pós a acusação, o vereadorfoi ouvido pela delegada Dra. Gorete Rios e confirmou em partes a versão apresentada pela noiva.
Segundo a delegada, o vereador negou as agressões e contou que: “ela ficou descontrolada” e ele “apenas a conteve”. Rodyson chegou a explicar que também foi agredido pela noiva e fez exame de corpo de delito.

Dra. Gorete esclareceu que Rodyson contou que estava com uma mulher na casa dele, mas que não houve traição. A referida mulher é conhecida da família há cerca de 15 anos e estaria lá colhendo informações sobre chácaras vizinhas a qual estava com intenção de comprar, momento em que a noiva chegou e “ficou exaltada”, por isso teve que contê-la.
A delegada ainda havia revelado que quase todas as testemunhas foram ouvidas, inclusive a mulher “pivô” de toda a confusão. A mulher teria confirmado a versão de Rodyson, mas ressaltou que foi embora e não viu o desfecho da história. As outras testemunhas ouvidas e que estavam presentes no local, é uma colega de trabalho da noiva do parlamentar e uma vizinha que chegou a residência do casal após ouvir a confusão, mas que também não presenciou todo o ocorrido.
Segundo Dra. Gorete Rios, os autos seriam arremetidos à justiça e caberia ao juiz à decisão sobre o futuro do caso.

Projetos que estavam em pauta foram retirados

Na reunião ordinária ontem foram apresentados quatro projetos na ordem do dia, porém após o pronunciamento do vereador RodysonKristnamurti, as propostas foram retiradas da pauta e não foram debatidas. As leis eram as seguintes:

1) Lei de autoria do vereador Edimar Félix (PROS): projeto de resolução CM 28/2013. Esta proposta altera a resolução de número 420, de 09 de fevereiro de 2010, que consolida a legislação sobre concessão de comendas, títulos e homenagens, da casa legislativa.
2) Projeto do Poder Executivo: proposta de número 044/2013, no qual revoga a lei 7.158, de 11 de março de 2010, que autoriza o Executivo a conceder o direito real de uso móvel, de propriedade do município ao Centro Espírita Beneficente União do Vegetal.
3) Lei de autoria do parlamentar Nilmar Eustáquio (PP): lei 160/2013 que acrescenta os incisos V e VI, ao artigo 5º da lei 4.452, de 23 de dezembro de 1998, que dispõe sobre denominação dos próprios públicos e identificação de imóveis urbanos e rurais.
4) Proposta de autoria do Marcos Vinícius (PSC): lei de número 03/2014. Esta proposta declara de utilidade pública a Associação Beneficente Bom Pastor (ABBP), com sede em Divinópolis.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.