Justiça cassa o mandato de prefeito e vice da cidade de Camacho por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2020.

Além da perda dos cargos, os dois gestores públicos, juntamente com o chefe do setor de obras da prefeitura, foram condenados ao pagamento de multa.

18 AGO 2021

A Justiça Eleitoral julgou procedente a Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) e cassou os mandatos do prefeito e do vice-prefeito de Camacho, cidade localizada no Centro-Oeste de Minas. A condenação deu-se nos termos requeridos pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

A cassação do diploma foi motivada por abuso de poder político e econômico, bem como pela compra de votos na eleição de 2020. Os dois, e também o chefe do setor de obras do município, ainda foram condenados ao pagamento de multa e receberam a sanção de inelegibilidade por oito anos.

Segundo a ação, o prefeito Bruno Lamounier Furtado (DEM), e o vice João Paulo Lamounier (PP) reeleitos no ano passado, com o auxílio do secretário de Obras, Geraldo Cardoso Lamounier, cederam servidores, máquinas, veículos e equipamentos do município para construção e reforma de imóveis particulares, com o intuito de beneficiar a candidatura da chapa. As irregularidades ocorreram no segundo semestre de 2020, às vésperas das eleições municipais. Em retribuição, os beneficiados teriam trabalhado ativamente na campanha eleitoral.

O Ministério Público destaca que “o abuso do poder econômico revestiu-se de redobrada gravidade, uma vez que a compra da liberdade de escolha do eleitor se deu através do emprego de recursos públicos, valendo-se os candidatos da força de trabalho de servidores e de bens da administração, às custas, portanto, do tesouro municipal”.

 

Fonte: MPMG

© 2009-2021. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.