quarta-feira, 28 de Dezembro de 2011 13:16h Flaviane Oliveira

Aumento do salário mínimo beneficia mesa do divinopolitano

O novo valor torna possível a compra de 2,25 cestas básicas, maior quantidade registrada desde 1979

A aposentada Zelita Gomes já comemora o aumento no salário mínimo que passa a valer a partir da semana que vem e acredita que com mais dinheiro no bolso poderá investir na alimentação da família e a expectativa da aposentada já se confirma no cenário econômico. De acordo com o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em todo o país, com o novo valor do salário mínimo em R$ 622,00 e a cesta básica de janeiro estimada em R$ 276,31, é possível que o salário mínimo possa ter um poder de compra equivalente a 2,25 cestas básicas, maior valor desde o ano de 1979.


O Dieese aponta ainda que o aumento de 14,13% no salário mínimo no ano que vem vai colocar cerca de R$ 47 bilhões em circulação no País. Considerando a série histórica do salário mínimo e trazendo os valores médios anuais para reais de 1º de janeiro de 2012, o valor de R$ 622,00 no início do ano será o maior valor real da série das médias anuais desde 1984.

 

 

PODER DE COMPRA


Graças ao aumento de 14,13% em janeiro, o Dieese acredita que a relação entre o salário mínimo e o preço médio da cesta básica será a maior desde os anos 90. Em Divinópolis, o Núcleo de Pesquisas Econômicas (Nupec) da Faced, registrou que em novembro, o custo da cesta de alimentos básicos seguiu a tendência nacional e apresentou elevação de 2,8% em relação ao mês de outubro. Dessa forma o valor da cesta passou de R$193,00 para R$198,6 em novembro, alcançando o maior valor desde abril de 2010, quando a cesta da cidade valia R$199,00. Com o aumento do salário a partir de 2012, a estimativa é de que assim como a média nacional, poder de compra do divinopolitano também registre certo aumento.

 

REAJUSTES


De acordo com a análise do Dieese realizada com base nos aumentos do salário mínimo desde o ano de 2002, em 2003, o reajuste foi de 20,00%, para uma inflação acumulada de 18,54%, o que correspondeu a um aumento real de 1,23%. Já no segundo ano, a elevação foi de 8,33%, enquanto. Em 2005, o salário mínimo foi corrigido em 15,38%, contra uma inflação de 6,61% e em 2006, a inflação foi de 3,21% e o reajuste ficou em 16,67%, aumento real de 13,04%.
Enquanto isso em 2008, o salário mínimo foi reajustado 9,21% e a inflação ficou em 4,98%, correspondendo a um aumento real de 4,03%. Já em 2010, com valor de R$ 510,00, o ganho real acumulado no período atingiu 6,02%. O esperado é que com o aumento anunciado e o salário chegando a R$ 622,00, o piso irá acumular um ganho real desde 2002 de 65,96%.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.