terça-feira, 27 de Dezembro de 2011 10:33h Sarah Rodrigues

Consumidores sofrem fraudes com frequência

Segundo pesquisa divulgada pelo Serasa a cada 17 segundos um consumidor brasileiro sofre tentativa de fraude, conhecida como roubo de identidade. Autoridades afirmam que assim que perceber a falta do documento o consumidor deve fazer Boletim de Ocorrência


A cada 17 segundos um consumidor brasileiro é vitima de tentativa de fraude, conhecida como roubo de identidade. A informação foi divulgada pelo Indicador Serasa Experian de Tentativa de Fraude, em que segundo o órgão, criminosos usam dados pessoais de vítimas para obter crédito com a intenção de não honrar os pagamentos ou realizar um negócio sob falsidade ideológica.
Segundo o levantamento, de janeiro a outubro deste ano foram registradas 1,54 milhão de tentativas de fraudes como essa no país. Se todas tivessem sido realizadas, o prejuízo total estimado seria de R$ 5,7 bilhões no período.


Ainda de acordo com o órgão o indicador é o resultado do cruzamento de três conjuntos de informações: total de consultas mensais a CPFs, estimativa de risco de fraude e valor médio das que ocorreram. Se analisados os segmentos de consumo, o setor de serviços é o que lidera as tentativas de fraude, com 34% do total, seguido por bancos e financeiras (28%), telefonia (22%), varejo (13%) e outros (2%).
Os dados mostram também que estão mais suscetíveis às fraudes os consumidores que tiveram seus documentos roubados. Com apenas uma carteira de identidade ou um CPF nas mãos de golpistas, dobra a probabilidade de ser vítima de uma fraude.Por isso, sempre que tiver os documentos perdidos as vitimas devem fazer um Boletim de Ocorrência.
O órgão explica que a pesquisa mostra a importância de o consumidor adotar cuidados simples em seu dia a dia como não dar informações pessoais a terceiros, evitar participar de sorteios e promoções que exijam essas informações, não abrir e-mails que não conhece, ter um antivírus atualizado no computador, entre outras precauções.


Quando for vítima de roubo, perda ou extravio de documentos, a primeira medida a ser tomada é fazer um boletim de ocorrência. Depois, é possível cadastrar a ocorrência gratuitamente na base de dados da Serasa Experian através do site www.serasaexperian.com.br. Assim, sempre que ele for consultado, o concedente de crédito saberá que se trata de um documento roubado e terá mais cuidado ao fechar um negócio.
É o que explica a advogada Tereza Lada, presidente da ADECCOM (Associação de Defesa do Consumidor do Centro Oeste de Minas). Tereza conta que a associação já recebeu reclamações de fraudes contra o consumidor e explica quais são os passos a serem tomados. De acordo com a advogada a primeira coisa a ser feita se teve os documentos perdidos, extraviados ou furtados é fazer um Boletim de Ocorrência imediatamente. “Para se resguardar das fraudes é necessário fazer o boletim de imediato, não se pode deixar para depois, porque depois que as empresas creditam o nome a situação fica complicada”, enfatiza.
A advogada avalia que após o Boletim de Ocorrência é necessário informar os órgãos que fazem consultas ao CPF, para que as empresas estejam cientes no ato da consulta que a pessoa teve o documento extraviado. “É necessário que o consumidor avise todos os seus credores, como bancos, operadoras de cartão de crédito, para que as lojas tomem mais cuidado ao realizar uma operação de crédito”.
De acordo com Tereza situações de fraude ocorrem com muita frequência, por isso as empresas também precisam se resguardar para tomarem prejuízo. “Caso a empresa não tome cuidado que é seu dever, de fazer a consulta e conferir se realmente é o cliente que está realizando a transação”. A advogada acrescenta que caso não seja o cliente e ele for lesão a empresa deverá arcar com os prejuízos e cabe até indenização “a não ser que comprove que o prejuízo foi causado por culpa de terceiros, neste caso por fraude contra a empresa também”, pontua Lada.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.