quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011 13:34h André Bernardes

Hemominas realiza Semana Nacional de Medula Óssea

Começou na última segunda 12, no Hemominas Divinópolis as campanhas de conscientização para doação de medula na Semana Nacional de medula. Durante a semana serão realizadas diversas ações e palestras para incentivar a doação de medula.


A Semana Nacional de Medula Óssea foi criada pela Lei 4.383/08 (Lei Pietro), sancionada em 22 de abril de 2009, e e diz que anualmente sejam desenvolvidas atividades para esclarecer sobre a doação de medula óssea. A Fundação Hemominas não faz o transplante de medula óssea., apenas é responsável pelo cadastro  em todo o estado. O primeiro passo é a coleta e depois caso apareça um paciente compatível é feito o transplante. Rita Fontanez, da assessoria de comunicação da Hemominas, explica como funciona o processo. Há duas formas básicas para coleta da medula de um doador, punções no osso da bacia, por meio de agulhas especiais, sob efeito de anestesia. Os doadores passam por um pequeno procedimento cirúrgico, de aproximadamente 90 minutos e a aférese, procedimento de coleta por via periférica, que se assemelha a uma doação de sangue. Não requer internação nem anestesia. A escolha sobre o tipo de coleta não é uma decisão do doador ou do paciente, mas sim uma indicação médica, de acordo com o tipo de patologia ou diagnóstico do paciente. Já no transplante, o paciente é tratado com quimioterapia, que destrói sua própria medula, e recebe a medula óssea doada por meio de transfusão. Em duas semanas, a medula óssea transplantada já estará produzindo células novas” esclareceu. Segunda Rita os riscos para os doadores são praticamente inexistentes pois apenas 10% da medula é retirada e em poucas semanas ela regenera.


Para fazer a conscientização, a unidade do Hemominas em Divinópolis está com uma decoração diferente além de contar com  ações  e o apoio do Rotaract Leste, Rotary Divinópolis Leste, e dos alunos do Curso de Pedagogia da Funedi. “A Semana é importante para divulgar e conscientizar a população para o cadastro e a possível doação de medula óssea. O transplante de Medula Óssea é importante para a cura para muitos portadores de leucemias e outras doenças do sangue” explicou Rita.


Em Divinópolis existem mais de 4.400 pessoas cadastradas o que de acordo com o a fundação é um número significativo. Em toda a rede são mais de 50 mil pessoas cadastradas colocando Minas G Gerais como o terceiro em cadastro de medula óssea, ficando atrás de São Paulo e Paraná. A Hemominas é a primeira Instituição no cadastro de medula óssea. “O receio vem muitas vezes da falta de informação. As pessoas ainda confundem medula espinhal, com medula óssea. E são coisas completamente diferentes. Quando as pessoas estão conscientizadas elas percebem que não há nenhum segredo em doar a medula óssea. É doar algo que não vai lhe fazer falta e que pode representar a vida de alguém. Um gesto de solidariedade e amor ao próximo” frisou Rita.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.