terça-feira, 27 de Dezembro de 2011 10:46h Sarah Rodrigues

HSJD reabrirá ambulatório pediátrico

Dia 02 de janeiro é a data marcada pelo Hospital São João de Deus para a reabertura do ambulatório de pronto atendimento aos pacientes pediátricos. O Ambulatório estava fechado desde novembro de 2010, por falta de profissionais e por questões de financiamento.
De acordo com o superintendente da Fundação Geraldo Correa, Frei Ronan Pereira Lima o ambulatório será reaberto para atender a saúde suplementar. A equipe que trabalhará no ambulatório será composta por 10 pediatras que atenderão durante 24 horas e sete dias por semana, coordenada pelo Doutor Zeuler Vitor Ramires.


Lima frisa que o serviço será oferecido para os planos de saúde conveniados com o HSJD como antes, e que a unidade não atendia pelo SUS, só em casos urgentes encaminhados pelo município. “No dia 02 a gente reabre. Este serviço ambulatorial, só existe para a saúde suplementar, só para planos de saúde e particulares, não é para o SUS. O serviço de SUS ambulatorial é feito nos Postos de Saúde e Pronto Socorro, nos casos de internação a criança é encaminhada para cá, como todos os outros serviços”, explica.
Sobre a importância do ambulatório para a comunidade Ronan afirma que “traz uma segurança maior para todos os pais, que tem crianças, que estão sujeitas a qualquer situação de urgência, para o atendimento”.


Para o superintendente dentro das 24 horas de funcionamento deverão ser atendidas cerca de 50 crianças por dia.
O fechamento da unidade segundo Lima foi devido a alguns problemas como  falta de profissionais e pela questão do financiamento, então foi o que causou o fechamento. Faltam profissionais ainda, só que nós revimos e readequamos a questão do financiamento do serviço”, explica.
O Frei afirma que é com muita alegria que o ambulatório será reaberto. “Foi uma lacuna que nós ficamos por treze meses, e que durante esse tempo lutamos o tempo todo, tentamos reabrir, mas só decidimos abrir agora que temos uma equipe montada, mas é realmente uma alegria, pois a gente volta a atender uma demanda muito grande que a população tem”.


Os benefícios com mais um ambulatório na cidade a população fica mais tranquila. O superintendente acredita que os serviços prestados precisam ser bem realizados. “Na verdade existem outros serviços na cidade, a gente sabe que todos eles com algumas falhas, de escala, tem horários que não tem médicos, quando o nosso ambulatório chegou nesse ponto, nós fechamos. Pois entendemos que o serviço ambulatorial deve ser permanente”, conta.
Sobre a possibilidade de um convênio com o município para realizar atendimentos pelo SUS o superintendente explica que não. “Porque o município só atende de fato pelo SUS, o município não tem a necessidade desse serviço, já tem os Postos de Saúde que faz isso e tem também a UPA Central que possui pediatras 24 horas”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.