quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011 13:36h Cristiane Fernandes

O uso de agrotóxicos causa doenças

Os agricultores abusam no uso de produtos químicos na plantação e prejudicam a alimentação dos consumidores

Para obter melhor resultado nas produções agrícolas, os agricultores usam cada vez mais agrotóxicos nas plantações. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) o Brasil é o país com maior utilização de agrotóxico no mundo. Com a quantidade de produto químico nos alimentos, a população é prejudicada pois precisa do alimento para sobreviver.
A correria do dia-a-dia e com a necessidade cada vez maior de conseguir produzir cada vez mais e no menor tempo possível, os agricultores usam dos produtos químicos para sair na frente e produzir mais, além de conseguir deixar os alimentos mais bonitos com o uso do agrotóxico. “Quanto maior a produção, a colheita, maior é o uso de agrotóxico e quanto mais bonito estiver o alimento, mais produto químico foi utilizado” informou Regina Bicalho, coordenadora da Comissão Regional da Segurança Alimentar.


De acordo com a lei, os agricultores podem realizar a dosagem do produto de acordo com o tamanho da lavoura, 20 kg por hectare ou 48,4 kg por alqueire e por litros de água, 300 g por 100 litros. Porém, alguns agricultores não respeitam a lei e nem o tempo da colheita, em alguns estados do país, segundo a coordenadora, os agricultores usam muito agrotóxico e hoje, de acordo com testes realizados, o leite materno está contaminado através da alimentação das mães, “no estado do Mato Grosso, o uso de produto químico é tão grande que as mães chegam a alimentar seus próprios filhos com veneno, pois de acordo com testes realizados no estado, o leite materno esta contaminado com agrotóxico” ressaltou.
A contaminação é inevitável, pois o produto químico ao primeiro contato com o alimento, penetra e assim não é impossível evitar a contaminação, segundo dados da ANVISA, as pessoas consomem por ano cerca de 5 litros de agrotóxico. “Mesmo com o uso da água sanitária nos alimentos,  não é possível retirar o produto, pois ele já penetrou nas verduras, legumes ” afirmou a coordenadora.


Depois de ingerir os alimentos, a população corre o risco de adquirir várias doenças como problemas nos rins e no fígado e ao diminuir a quantidade de agrotóxico nas frutas e verduras também há a perda de fibras “com a higienização dos alimentos, conseguimos diminuir a contaminação com o produto químico, sempre é recomendado o uso de buchas ao lavar verduras, legumes e frutas, a água sanitária e ao retirar a casca do alimento, também, retira um pouco do agrotóxico, mas ao comer o alimento sem casca, diminui as fibras do alimento” explicou Kelly Nascimento, nutricionista.
O melhor a fazer para evitar a contaminação é observar os alimentos na hora da compra, pois a contaminação é a longo prazo “quando você adquire uma doença, ela não pode ser atribuída ao uso de agrotóxico, pois a contaminação é a conta gotas” ressaltou a coordenadora.
De acordo com a pesquisa realizada pela ANVISA, o pimentão e o pepino são os alimentos com mais contaminação por agrotóxico e a batata, alimento mais consumido pela população brasileira, segundo a pesquisa, é a verdura hoje, com o menor número de produtos químicos encontrados. “Certos tipos de alimentos absorvem mais o produto, como o morango e a beterraba, o melhor a fazer, é procurar, sempre, os alimentos menores, pois quanto menor o alimento, menor foi o uso de agrotóxico” alertou a nutricionista.


Os consumidores também podem procurar outros meios para ingerir alimentos mais saudáveis, como procurar comer alimentos de agricultores menores e produzir no terreiro uma horta para ter certeza do produto consumido. Outra alternativa, seria o consumo de alimentos orgânicos , porém segundo a nutricionista, é necessário observar o rótulo do produto, caso seja orgânico, não possui agrotóxico nenhum.

Penalidades
Os agricultores e comerciantes de agrotóxicos que não seguirem a lei ficará sujeito à pena de reclusão de dois a 4 quatro anos além da multa no valor de 100 MVR (Maior Valor de Referência). A Lei 7.802 prevê, o embargo do estabelecimento e apreensão do produto ou alimento contaminado; advertência; condenação do produto; inutilização do produto; suspensão da autorização, registro ou licença; interdição temporária ou definitiva do estabelecimento; destruição de vegetais, parte de vegetais, e alimentos que contiverem resíduos acima do permitido.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.