sábado, 10 de Dezembro de 2011 09:08h Atualizado em 10 de Dezembro de 2011 às 09:13h. Sarah Rodrigues

Papai Noel dos Correios

Mais de 50% das cartinhas já foram apadrinhadas

Cinquenta e quatro por cento das  4228 cartinhas do “Papai Noel dos Correios” já foram apadrinhadas.Ou seja,  2274 já foram adotadas e dessas 1040 já os presentes entregues. Para o gerente regional dos Correios Luiz Brinatti, este é um resultado bom, tendo em vista que somente pessoas físicas pegaram as cartas.


Brinatti explica que duas etapas estão ocorrendo simultaneamente, mas que os números apresentados mostram um resultado satisfatório. “Estamos cumprindo a penúltima etapa do projeto que é o apadrinhamento das cartas, essa vai até na sexta-feira que vem 16, e então entraremos na etapa final do projeto que é a entrega dos presentes”.
Algumas crianças já receberam seus presentes e a meta dos Correios é que antes do Natal, 100% dos presentes estejam na casa das crianças. “Paralelo a essa última etapa a entrega já vai ocorrendo, os padrinhos vêm trazendo os presentes e vamos entregando para evitar um acúmulo com o período natalino”, conta.


Segundo o gerente, quando o prazo vai se acabando os Correios iniciam uma campanha com as empresas para que adotem maciçamente as cartinhas, até agora somente as pessoas físicas participaram ativamente da do apadrinhamento. “Considerando que a semana que vem é a última e a gente conhece pela experiência dos 21 anos, consideramos que está dentro do cronograma previsto. A última semana é decisiva, é quando temos uma procura maior e a nossa força de vendas dos Correios intensifica mais a busca por padrinhos nas empresas”.
O gerente avalia que a campanha foca o apadrinhamento de crianças em estado de vulnerabilidade social, por isso muitos se esforçam para conseguir encaminhar as cartinhas. “A nossa meta e a gente está buscando isso dia e noite é apadrinhar 100%, não queremos frustrar nenhuma criança que tenha enviado á sua cartinha para o Papai Noel”, ressalta.


Para Brinatti a cada ano que passa quanto menos cartinhas estiverem disponíveis é melhor para o município, pois indicará que a vulnerabilidade social caiu. “É possível conseguir, este ano tivemos uma quantidade até menor que no ano passado devido aos critérios e também porque acreditamos que a cada ano o projeto não tem a obrigação de aumentar o número de cartinhas, senão estaríamos na contramão da história do desenvolvimento do próprio país”.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.