terça-feira, 27 de Dezembro de 2011 10:30h Flaviane Oliveira

Período de trocas após o natal se intensifica no início da semana

Sapatos, roupas, brinquedos e uma infinidade de itens saíram das lojas às vésperas do Natal para presentearem milhares de divinopolitanos. O problema é que nem sempre quem presenteia acerta na hora da compra e após as festividades o presenteado acaba voltando às lojas para fazer a troca.
Fazer as compras é sempre algo cheio de facilidades no comércio por causa dos parcelamentos, crediários e uma infinidade de condições que fazem com que o cliente volte para casa com as sacolas cheias. Porém toda essa facilidade pode se transformar em dificuldade na hora de efetuar uma troca. Durante toda a segunda feira, as lojas ficaram cheias para a troca dos presentes recebidos no natal. Já quem precisou trocar produtos na última semana acabou recebendo a notícia de que deveria votar nessa semana, após o natal, momento em que a movimentação do comércio volta ao normal.


Lojas que se recusam a trocar peças em promoção ou mesmo estabelecimentos que não realizam trocas aos fins de semana são alguns dos problemas encontrados pelo consumidor na hora de voltar à loja para adequar a compra que não deu certo e para evitar dores de cabeça é importante que o consumidor tome certos cuidados na hora de comprar. O gerente do Procon de Divinópolis, Thiago Pardini, explica que as trocas são permitidas em qualquer ocasião em que o próprio lojista ofereça essa oportunidade ao consumidor e por isso é importante exigir a condição de troca por escrito, pois assim torna-se uma cláusula contratual e o lojista passa a estar obrigado a cumprir o determinado no cupom de troca ou documento equivalente.

 

 

RECLAMAÇÕES
Ainda em julho, Thiago Pardini destacou que o Procon no município recebe várias reclamações e questionamentos sobre as trocas, porém quase sempre os consumidores não possuem provas documentais para exigir o cumprimento forçado da oferta em razão da opção de troca oferecida.
Dessa forma, o Procon orienta ao consumidor para que exija no ato da compra um cupom de troca ou documento semelhante caso essa opção seja oferecida pela loja, determinando as condições para que a mesma seja efetuada, deverá obedecer tudo aquilo que foi proposto. Em caso de não cumprimento do que for proposto, o consumidor poderá procurar o Procon para que faça valer as normas estipuladas no ato da compra.

CUIDADOS
Na hora das compras o consumidor deve ficar atento, pois na prática não há nenhuma lei que determine a obrigatoriedade da troca de produtos por simples desistência do consumidor. Apesar disso, o Código de Defesa do Consumidor prevê o direito de substituição do produto em caso de vícios ou defeitos apresentados dentro do prazo de garantia.
Em entrevista anterior ao jornal Gazeta do Oeste, o gerente do Procon ressalta que atualmente a troca de mercadoria tornou-se um costume no comércio, porém o lojista não é obrigado por força de lei. Como não há lei que obrigue as empresas a realizar trocas, o produto adquirido em uma promoção também pode representar a mesma dificuldade para o consumidor na hora de uma substituição, já que as lojas não são obrigadas a trocar produtos, apenas se firmarem acordo prévio com o consumidor, dessa forma o lojista poderá determinar as condições da troca, podendo limitar a produtos em promoção ou não. Nos casos de compras realizadas realizadas fora dos estabelecimentos comerciais, por meio de catálogos de compra, venda em domicílio, por telefone ou pela internet, o consumidor tem o direito de se arrepender da compra em até sete dias. 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.