sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011 09:59h Atualizado em 16 de Dezembro de 2011 às 10:03h. Sarah Rodrigues

População pede socorro em manifestação na MG 050

Entidades de classe, motoristas, empresários, trabalhadores, autoridades, associações de moradores se reuniram na tarde de ontem no trevo do Icaraí na entrada do Centro Industrial para reivindicarem melhorias no trânsito da MG 050


Na tarde de ontem população, empresários, secretários, motoristas, pedestres, e autoridades se reuniram no trevo do Icaraí na entrada do Centro Industrial para protestarem sobre as condições da MG 050. Segundo os motoristas durante todo o dia o trânsito é complicado e fazer um retorno rumo ao centro é muito difícil, mas a partir das 16h um congestionamento diário se forma.


Quase duzentas pessoas se reuniram às margens da rodovia nos canteiros para protestarem. O evento organizado pela Acid (Associação Comercial Industrial e de Serviços de Divinópolis) ocorreu de forma pacifica e contou com a participação da CDL, da Fiemg, de associações de moradores, vereadores e população. A manifestação ocorrida a partir das 16h até 17h30 alertou os motoristas e chamou a atenção das autoridades quanto ao problema. Além dos convidados pela organização a população do Icaraí se juntou timidamente aos protestantes e concordaram que é necessária uma ação efetiva.


A manifestação contou com a colaboração da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária com um grande efetivo que ficou fixo no trevo junto aos protestantes, além de reforços que ficaram em outras extremidades como na saída da Magalhães Pinto e próximo ao Iate Clube para garantirem a segurança da população.


O ponto forte da manifestação foi a aceitação dos motoristas que receberam panfletos, sendo apontado pelos condutores que todos os dias durante os horários de pico um grande congestionamento se forma, foi o que toda a população presente pôde perceber. O trânsito não foi paralisado pela organização, mas os motoristas trafegaram lentamente. Diversas faixas mostraram a indignação da população.


Quem mais chamou a atenção foram os empresários que se mostraram muito preocupados com a segurança e a comodidade dos funcionários. De acordo com o industriário Antônio Carlos Pereira, a reivindicação é que o trânsito flua melhor, pois a grande maioria dos seus funcionários são estudantes e muitos precisam ir para outras cidades para cursarem a faculdade. “A situação chegou a um ponto inaceitável, tenho indústria desde 1975, nós enfrentamos barro, poeira, falta de água, de telefone e quando a MG 050 ficou com esse movimento toda tarde é assim, esse congestionamento e no dia que ocorre um acidente vai ser sério, pois é uma bagunça”.


O empresário conta que na maioria dos dias gasta de 20 a 25 minutos para atravessar a pista. “A gente fica indignado, porque é uma promessa por pelo menos cinco, seis anos. A solução seria a pista alternativa por trás para liberar a MG, mas nós estamos aceitando qualquer solução, até semáforo nós aceitamos. O problema não sou eu, sou empresário chego em casa, não vou estudar, entre meus funcionários têm muitos que estudam, tem alunos que estudam em Formiga e ficam congestionados aqui”, se indignou o industriário.


De acordo com o presidente da Acid, Carlos Moacyr a instituição organizou a manifestação, pois representa o Centro Industrial que concentra o maior PIB de Divinópolis. Segundo ele, os trabalhadores têm reclamado que gastam mais de uma hora para conseguirem sair da região. “Essa manifestação mostra a revolta da população de Divinópolis, dos moradores da redondeza, mais de 2500 trabalhadores que vivem isso aqui todos os dias, há três anos nós estamos negociando com a Nascentes das Gerais, com o Governo do Estado e eles nunca dão uma resposta para a gente”, pontua.


Desde o início da manifestação o vice-prefeito Francisco Martins participou ativamente, entregou panfletos, chamou a população e disse que o município precisa dar exemplo para as empresas. “É um absurdo essa saída do Centro Industrial, como nós iremos exigir desenvolvimento para a região, se hoje não existe a mínima condição das pessoas saírem do trabalho”.


O prefeito Vladimir Azevedo que chegou ao final da manifestação afirmou que o município está há muito tempo cobrando ações da concessionária e que é muito bom ver a sociedade se organizando. “É uma luta nossa de três anos, realmente há um atraso nas obras por parte da Nascentes das Gerais. Nós desenhamos uma propostas alternativa .A gente vê a sociedade de forma organizada, fazendo esta mobilização. Chega um momento em que a articulação política oficial se satura e ai que tem que entrar a mobilização da sociedade”, frisa.


As entidades reunidas prometeram que se o problema não for resolvido outras manifestações ocorrerão.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.