sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011 14:06h Flaviane Oliveira

Preços do material de construção chegam a variar 60% no município

Pesquisar preços ainda é a melhor solução para quem quer construir

A areia continua sendo o material com maior variação de preço no município. No último mês, o Núcleo de Pesquisas Ecônomicas (Nupec) da Faced, pesquisou em nove estabelecimentos do município o preço dos materiais básicos de construção. Entre os materiais pesquisados estão o cal, cimento, preço do metro cúbico da área, preço do metro cúbico da brita e tijolo cerâmico com oito furos. Durante a pesquisa foi possível verificar que pesquisar preços ainda é a melhor decisão na hora de construir ou reformar.
Em comparação com os últimos meses, a areia continua sendo o material que apresenta maior variação do preço chegando a 60%, registrando preços entre R$67,84 e R$88,00. Em segundo lugar ficou a brita, apresentand uma variação em torno de 53%, já que o preço do metro cúbico desse material tem preço mínimo de R$84,50 e máximo de R$100,00. A cal e o tijolo de cerâmica foram os materiais com menor variação, ficando em 14,42% e 24% respectivamente.De modo geral, nesse ano o preço do material de construção em Divinópolis se manteve estável. O que mais pesou foi a variação do valor pago de loja para loja.

FATORES
Para alguns especialistas a variação de preço do material de construção  é um fenômeno típico do mercado varejista, que acaba ganhando força no setor à medida que aumenta o contingente do chamado consumidor “formiguinha”. O consumidor final precisa pesquisar e correr atrás dos menores preços, enquanto as grandes construtoras compram em maior quantidade e podem negociar para que não haja grande variação do preço na compra final.
De acordo com a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), atualmente 77% das das casas construídas no Brasil são em regime de auto gestão. Dessa forma  como a maioria dos brasileiros não pode adquirir um imóvel financiado, os próprios consumidores adquirem os produtos aos poucos e, com a ajuda dos vizinhos ou terceirizando o serviço aumentam um cômodo, constroem a própria moradia ou reformam a antiga. Outro ponto que pode ser responsável pela oscilação dos preços é o aumento da demanda pelo material de construção, o que faz parte da lei da oferta e da procura.
Em nota o presidente da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco), Cláudio Konz, explica que as variações de preço são difíceis de ponderar e, na maioria das vezes, estão agregadas ao peso que o produto tem no faturamento da loja e ao serviço que é prestado ao cliente, como a cobrança ou não de frete. A localização do estabelecimento também influencia no preço do material.
De acordo com o Grupo IBOPE Inteligência o faturamento do varejo de material de construção também tem apresentado resultados acima da média. A maior parte do mercado varejista de material de construção encontra-se na região sudeste do país, incluindo o território mineiro e concentrando cerca de 54,5% do potencial de consumo e 48% dos estabelecimentos comerciais.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.