sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011 17:50h Atualizado em 1 de Janeiro de 2012 às 07:18h. Flaviane Oliveira

Virada de ano fora do tradicional

Nos últimos anos, muitas pessoas tem optado por passar o Réveillon rezando ou buscando cultivar a chamada paz espiritual. Um dos destinos mais procurados tem sido a Missa da Virada que é celebrada na Igreja de Nossa Senhora Aparecida na noite de hoje

Pular as sete ondas, ir para os clubes da cidade, passar a virada do ano em casa junto dos familiares, ou mesmo viagens internacionais sempre foram algumas das opções de muitos divinopolitanos. Mas nos últimos anos, muitas pessoas tem optado por passar o Réveillon rezando ou buscando cultivar a chamada paz espiritual. Um dos destinos mais procurados tem sido a Missa da Virada  que é celebrada na Igreja de Nossa Senhora Aparecida, no Bairro Bom Pastor.
Realizada durante a passagem de ano, a Missa da Virada será celebrada na noite de hoje pelo terceiro ano consecutivo e assim como nos anos anteriores promete receber mais de 10 mil fiéis para iniciar o novo ano em oração. Nesse ano, a missa será iniciada às 10 da noite e à meia noite será dada a benção do Santíssimo Sacramento para que o ano de 2012 seja iniciado com o pé direito. Durante as missas dessa semana, Padre Chrystian Shankar aproveitou para convidar a todos para participar na noite de hoje (31).
Após a celebração será realizada a tradicional ceia de ano novo com a participação de todos os presentes. Aqueles que quiserem participar podem levar à igreja alimentos típicos da virada do ano como frutas, carnes e outras comidas e aqueles que puderem devem levar balões amarelos que serão estourados à meia noite. Priscila Diniz conta que irá participar da missa pela segunda vez, “Muitas pessoas escolhem festejar nos clubes ou em viagens mas para mim não tem preço entregar as conquistas e derrotas do ano que se vai e buscar por bençãos e renovar a minha fé em oração logo no primeiro dia do ano” conta.

O ANO NOVO
A primeira comemoração chamada de festival de ano-novo foi realizada na Mesopotâmia por volta de 2.000 a C. Na Babilônia a festa começava na ocasião da Lua Nova, indicando o equinócio de primavera, um dos momentos em que o Sol se aproxima da linha do Equador, quando os dias e as noites têm a mesma duração. Já no calendário atual, isso ocorre no mês de março, data em que os espiritualistas comemoram o ano-novo esotérico. Na antiguidade, os assírios, persas, fenícios e egípcios comemoravam o ano novo no dia 23 setembro. Já os gregos comemoravam o início de um novo ciclo no mês de dezembro, nos dias 21 e 22.
De acordo com historiadores, os romanos foram os primeiros a estabelecer uma data no calendário para realizar uma grande festa (753 AC a 476 DC). Na ocasião, o dia era primeiro de março, mas foi trocado para primeiro de janeiro e mantido no calendário juliano, adotado em 46 AC. Somente no ano de 1.852 foi a igreja consolidou a data quando adotou o calendário gregoriano.
A comunidade judaica tem um calendário próprio para comemorar a passagem de um ano que ocorre em meados de setembro ao início de outubro do calendário gregoriano. Já os islâmicos, o ano-novo é comemorado no mês de maio. Na China, ainda hoje se comemora a festa de passagem de ano entre o final de janeiro e o começo de fevereiro.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.