Esportes

Apesar da história gloriosa, seleção brasileira já sofreu derrotas inesquecíveis

O Brasil é o maior vencedor da história do futebol, mas nem tudo são glórias na trajetória da seleção. Houve também grandes decepções e derrotas marcantes, como o 7 a 1 para a Alemanha, em 2014. Às vésperas da Copa do Mundo do Catar, a torcida brasileira já se pergunta até onde a equipe comandada por Tite poderá chegar. Se você gosta de prever resultados, saiba mais detalhes sobre o universo do entretenimento esportivo.

Embora detenha o recorde de títulos de Copa do Mundo, o Brasil já sofreu algumas derrotas que até hoje são lembradas pelos torcedores. Duas das principais são o Maracanaço, quando, em 1950, sediando o mundial em casa pela primeira vez, a seleção brasileira perdeu a final para o Uruguai, em um Maracanã lotado.

O Brasil chegara à final após ter aplicado goleadas homéricas: 4 a 0 no México, 6 a 1 na Espanha e 7 a 1 na Suécia. Vencera também a antiga Iugoslávia por 2 a 0 e empatara em 2 a 2 contra a Suíça. No jogo contra Espanha, aliás, o compositor Braguinha, presente ao estádio, ouviu emocionado 150 mil torcedores cantarem a marchinha de carnaval “Touradas em Madri”, composição sua e de Alberto Ribeiro.

Já na final, em um Maracanã lotado, o estado de alegria geral dominou os torcedores. Todos esperavam uma vitória do time brasileiro, que abriu o marcador com um gol de Friaça, aos dois minutos do segundo tempo. Tudo indicava que a taça ficaria no Brasil. Mas o inesperado aconteceu. O Uruguai, com uma defesa retrancada, virou o jogo e venceu por 2 a 1.

O choque foi tão grande que os torcedores demoraram mais de meia hora para saírem do Maracanã. Ficaram lá, num silêncio tumular, tentando assimilar o que havia acontecido.

Tragédia do Sarriá

Outra grande frustração da história da seleção brasileira foi a Tragédia do Sarriá, em 1982. Naquela Copa, sediada na Espanha, o Brasil estava bem servido de craques, como Falcão, Sócrates, Júnior, Éder, Toninho Cerezo e Zico. O futebol arte estava de volta com o técnico vencedor Telê Santana – que repudiava jogo feio e botinada.

As exibições do time verde e amarelo eram convincentes e encantavam o público: 2 a 1 na União Soviética, 4 a 1 na Escócia, 4 a 0 na Nova Zelândia e 3 a 1 na Argentina foram os resultados até chegar a vez de enfrentar a Itália. Gols lindíssimos, entrosamento eficaz, passes e jogadas sensacionais levaram o Brasil a ser considerado o favorito, até porque a campanha italiana não empolgava.

Na primeira fase, a Itália havia obtido três empates: 0 a 0 contra a Polônia, 1 a 1 contra o Peru e 1 a 1 contra Camarões. Já na etapa seguinte, os europeus conquistaram uma vitória significativa contra a Argentina: 2 a 1. No entanto, ainda parecia muito pouco para enfrentar o Brasil, que vinha dando show.

O jogo aconteceu no estádio Sarriá, em Barcelona, no dia 5 de julho. Quem vencesse iria para a semifinal. E a Itália venceu por 3 a 2.

Os italianos saíram na frente, o Brasil empatou, mas a Azzurra obteve nota vantagem. O jogo foi para o intervalo com os europeus vencendo por 2 a 1. Veio o segundo tempo, e o Brasil, encurralando a Itália, marcou de novo.

No entanto, o último prego no caixão brasileiro veio aos 29 do segundo tempo, com o terceiro gol da Itália. Detalhe: os três gols do time italiano foram marcados por um mesmo jogador: Paolo Rossi.

A quebra de expectativa da torcida brasileira só pode ser comparada ao Maracanaço. Era improvável que o Brasil perdesse aquela partida. Mas perdeu.

É por essas e outras que o futebol desperta tanto interesse. Apogeu e queda, glória e decepção, alegria e tristeza. Todos esses elementos andam juntos e contribuem para que o esporte seja tão amado por povos tão distintos.

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto:

Bloqueador de Anúncio Detectado

Nosso conteúdo é gratuito e o faturamento do nosso portal é proveniente de anúncios. Desabilite o seu bloqueador de anúncios para ter acesso ao conteúdo do Portal G37.